Embraer
Imagem: Divulgação Embraer

A Rolls-Royce está em negociações avançadas para fornecer o sistema de propulsão para o novo turboélice que a Embraer está projetando. As informações foram apresentadas durante um evento da empresa para investidores, a partir de Chris Cholerton, que é presidente da divisão de motores civis.

De acordo com a empresa, uma proposta foi enviada para a equipe da Embraer, e diz que está colaborando para desenvolver a tecnologia necessária para o avião. A escolha da fornecedora de motores, contudo, depende da fabricante brasileira.

A Rolls-Royce disse que deseja projetar uma nova geração de motores, com base na tecnologia Ultrafan, que promete maior economia de combustível em comparação com os motores atuais. Anteriormente o executivo disse ainda que o novo motor com “arquitetura propfan”, ou de turbopropulsores com “caixas de redução” por exemplo, poderão melhorar a eficiência operacional da aeronave e consequentemente reduzindo seus custos operacionais.

Outras fabricantes, como a GE e Pratt & Whitney, estão trabalhando com outros conceitos, mas igualmente procurando menor consumo de combustível.

A GE investe no conceito propfan, já testado pela empresa na década de 80, mas atualizado com novos materiais e conceitos. Um outro trabalho está concentrado na atualização do motor T408 e no projeto Catalyst, que tem resultados positivos.

Conceito profan da GE/Safran.

A Pratt & Whitney vem trabalhando no Programa Turboélice de Nova Geração (NGTP) há algum tempo, mas isso ainda não resultou no lançamento público de um novo motor.

“Acho que estamos tendo uma proposta convincente”, disse Cholerton, sem entrar em mais detalhes. “O Ultrafan está no centro de nossa futura estratégia para widebody e, de fato, de quaisquer futuras oportunidades em narrowbody”.

Embraer TurboéliceMotores atrás é uma estratégia para futura versão movida a hidrogênio. Imagem: Divulgação Embraer

Em fevereiro deste ano a Embraer, Widerøe e Rolls-Royce anunciaram planos para estudar uma aeronave regional conceitual com emissão zero. O foco da Embraer é disponibilizar seu turboélice com compatibilidade para usar 100% de bioquerosene (SAF), e futuramente funcionar com hidrogênio.

Rodrigo Silva e Souza, da Embraer, confirmou que a Embraer quer um avião 100% compatível com biocombustível, e até 2040 funcionar com hidrogênio, combustível proposto pela Airbus em seus projetos.

 

Com informações de AirInsight .