F-35A em exibição em um show aéreo em Cigli, na Turquia- Foto: dardanellas / Getty Images

(Reuters) – A Turquia não tem necessariamente o objetivo de retornar ao programa de caças F-35 dos EUA, do qual foi removido devido à compra de sistemas de defesa russos, disse o chefe da indústria de defesa turca na quarta-feira. Ele disse que o objetivo principal é que a Turquia seja compensada por suas perdas.

A Ancara encomendou mais de 100 F-35s e vem fabricando peças para eles, mas foi removida do programa em 2019 depois que adquiriu os sistemas russos de defesa contra mísseis S-400, que Washington diz ameaçar os jatos. Ancara rejeita as preocupações dos EUA e diz que sua retirada do programa foi injusta.

Em dezembro, os Estados Unidos impuseram sanções a seu aliado da OTAN, a Turquia, sobre os S-400, visando sua indústria de defesa e altos funcionários do setor. A Ancara contratou o escritório de advocacia norte-americano Arnold & Porter para fazer lobby pela readmissão no programa.

Sistema S-400 sendo retirado de um IL-76- Foto: Ministério da Defesa da Turquia

O presidente da Diretoria da Indústria de Defesa da Turquia, Ismail Demir, disse à emissora NTV que havia uma “clara perda de direitos” e que o contrato de 6 meses da Ancara com Arnold & Porter tinha como objetivo identificar medidas futuras para reverter essas perdas.

“Não estamos com humor do tipo ‘vamos voltar (no projeto), temos que voltar’. Dizemos que há uma injustiça e que essa injustiça precisa ser consertada ”, disse Demir, que foi sancionado pelos Estados Unidos.

“O objetivo de todos os nossos esforços não é necessariamente voltar ao programa, mas sim que as injustiças sejam vistas e que nossos direitos sejam indenizados”, acrescentou.

Primeiro voo de um F-35 da Turquia em maio de 2018. Essa é uma das oito aeronaves adquiridas pela USAF. Foto: Lockheed Martin.

Apesar da retirada da Turquia do programa e das sanções impostas à indústria de defesa, o Pentágono disse que continuará a depender de empreiteiros turcos para as peças-chave do F-35.

A Turquia e os Estados Unidos têm divergido sobre uma série de questões nos últimos anos, desde os S-400s e suas implicações às diferenças nas políticas da Síria. Ancara diz que espera melhores laços com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.