Ka-52 Rússia
Helicópteros de ataque Kamov Ka-52 Alligator. Foto: Ministério da Defesa Russo.

Nos últimos dias publicamos que os militares ucranianos capturaram partes de um Sukhoi Su-35 que foi abatido no país, e coletaram algumas peças significativas para estudos os ingleses e dos Estados Unidos.

Mas alguns outros equipamentos militares russos também foram capturados pelos ucranianos, como é o exemplo do radar que compõe o sistema Barnaul-T, um posto de defesa aérea móvel totalmente blindado.

Os ucranianos também desmontaram alguns sistemas do sistema de defesa aérea Pantsir, e até do míssil Kh-101. A surpresa é somente uma, microchips fabricados nos Estados Unidos estão em todos esses equipamentos militares montados e projetados pela Rússia.

Quando abriram o sistema eletro-óptico do helicóptero Ka-52 Alligator, especialistas da Ucrânia encontraram 22 chips fabricados nos EUA e um chip fabricado na Coreia do Sul. No Pantsir, um avançado sistema de defesa aérea fabricado pela Rússia, um processador da AMD é o responsável pelo controle geral do computador eletrônico do radar que detecta aeronaves.

Como podemos conferir na imagem abaixo, compartilhada pelo Serviço de Inteligência da Ucrânia, alguns microchips da Micrel e da Atmec, equipando um sistema de comunicação do Barnaul-T.

O serviço de inteligência da Ucrânia também listou oito fabricantes de microchips dos Estados Unidos, como a Intel, AMD, Micrel, Micron Technology e Atmel Corp. Essas empresas não fornecem produtos diretamente para Rússia, muito menos para equipamentos militares.

Provavelmente a Rússia está aproveitando componentes reciclados, o motivo é que algumas empresas não existem atualmente como a Micrel e a Atmel, que pertencem à Microchip Technology Incorporated há alguns anos. 

“Temos relatos de ucranianos de que, quando encontram equipamento militar russo no solo, está cheio de semicondutores que eles tiraram de lava-louças e geladeiras”, disse a Secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo.

Componentes fabricados no Japão também foram encontrados nos equipamentos militares russos. Apesar da capacidade chinesa de produzir tecnologia semelhante em semicondutores, com algumas limitações para chips mais potentes, a Rússia ainda parece optar pela tecnologia norte-americana.

Em um mundo tão globalizado, é praticamente impossível evitar que microchips caiam nas mãos dos russos, mesmo com toda proteção de tecnologia imposta pelos Estados Unidos.

Os norte-americanos dizem que estão investigando essas armas e veículos capturados na Ucrânia, e fabricados pelos russos, mas é praticamente impossível garantir um bloqueio total de envio de componentes eletrônicos para a Rússia fabricar as suas armas.

 

Com informações de The War Zone.