A Força Aérea dos EUA está perto de aumentar a vida útil dos caças F-16 que opera. Um pedido de propostas foi lançado para solicitar às empresas que façam um orçamento de reforma estrutural da aeronave, a empresa vencedora assinará um contrato, sendo responsável por reformar mais de 489 caças desse modelo.

Essa proposta é proveniente de uma decisão tomada em abril deste ano, para prolongar a vida útil dos caças F-16C/D pelo menos até 2048, dessa forma cada aeronave poderia voar por até 13850 horas, o limite definido para cada célula sem reforma é de 8000 horas. Esses caças estão sendo usados pela USAF há 30 anos.

A reforma estrutural englobal 300 F-16 equipados com os equipamentos dos pacotes/atualizações Block 40 e 52. A USAF pode opcionalmente expandir essa quantia para 489 caças.

O valor total desse contrato deverá ser de US$ 403 milhões, barato, considerando que isso não daria para adquirir meia dúzia de caças F-16 usados. Ele deverá estar em vigor já no próximo ano, 2018, com duração de 5 anos, prorrogável por mais 5 anos.

Embora seja a fabricante original do F-16, a Lockheed Martin comemorou a aprovação do programa SLEP em um comunicado à imprensa emitido em abril, mas os dados recentes mostram que a empresa não tem o contrato garantido, mesmo conhecendo os sistemas da aeronave.

A Boeing pode entrar na concorrência, visto que também conhece bem o F-16, já que realizou várias alterações em um protótipo preparado para voar sem piloto.

O prazo para enviar as propostas vai até 8 de janeiro de 2018.