USAF decide remover requisito de altura mínima para candidatos a piloto

Aviadora da USAF- Foto; força aérea pelo sargento-mor. Marleah Robertson

A USAF decidiu remover o requisito de altura mínima para os que pretendem seguir carreira como piloto dentro da Força Aérea dos EUA. Essa medida vem para atender principalmente as mulheres que futuramente irão comandar as múltiplas aeronaves da USAF.

Anteriormente as regras exigiam que os pilotos deveriam ter uma altura de 1,64m a 1,98m – ou uma altura sentada de 86 cm a 101cm. Tais medidas já desclassificam cerca de 44% da população feminina norte-americana que estão na faixa etária dos 20 a 29 anos.

“Estamos realmente focados em identificar e eliminar barreiras para servir na Força Aérea”, disse Gwendolyn DeFilippi, vice-chefe adjunto de pessoal para mão de obra, pessoal e serviços, no comunicado. “Esta é uma grande vitória, especialmente para mulheres e minorias de menor estatura que anteriormente poderiam ter assumido que não estavam qualificadas para se juntar à nossa equipe”.

Aviadora da USAF-Foto: Regina Garcia Cano/AP

A USAF agora aplicará um “processo de triagem antropométrica” que mede os atributos físicos de um candidato, como comprimento do braço e altura do assento, para combiná-lo com a aeronave que ele pode voar com segurança. 

Anteriormente, os aviadores precisavam receber uma renúncia durante o processo de inscrição e, em seguida, mais dados eram coletados. A alteração remove esse requisito de renúncia.

A AETC avaliou 223 dessas renúncias de 2015 até o final de 2019, aprovando 87% dos candidatos a pilotos.

“Os estudos mostraram que as percepções das mulheres sobre a qualificação total para um emprego as tornam menos propensas a se candidatar, mesmo que haja uma opção de isenção”, disse a tenente-coronel Jessica Ruttenber, planejadora e programadora de mobilidade da Força Aérea e líder de equipe na Equipe de Iniciativa Feminina do serviço, no lançamento. “A modificação do padrão de altura permite que a Força Aérea acomode um pool de candidatos classificados maior e mais diversificado dentro das restrições de aeronaves existentes”.


Oficiais da Força Aérea, como parte das medidas do serviço para combater a falta de pilotos, disseram que aumentar o alcance para mulheres e minorias é um passo importante para conseguir mais pilotos. O chefe de gabinete, general David Goldfein, disse que a escassez é uma “oportunidade de movimentos ousados” em um novo alcance às comunidades sub-representadas nos cockpits do serviço.

Aviadora da USAF Foto: Auotor Deconhecido

Essas mudanças precisam ocorrer ao longo da carreira de um piloto. Goldfein disse que as pilotos do sexo feminino forneceram ideias para tornar menos punitivo a gravidez de suas carreiras, incluindo instrutoras em simuladores ou desempenho de tarefas da equipe quando atingem um ponto em que não podem mais voar.

O serviço também está adotando medidas como redesenhar o equipamento de voo para que ele se adapte melhor às mulheres. Em abril de 2019, a Força Aérea anunciou que está reformulando trajes G, roupas de voo, dispositivos urinários e coletes de sobrevivência para melhor se adequar às mulheres-piloto.

 

Fonte: Air Force Magazine/ Adaptações: Aeroflap

DEIXE UMA RESPOSTA