Um F/A-18F Super Hornet do esquadrão de testes VX-23 Salty Dogs da Marinha dos EUA é reabastecido por um KC-46 empregando o ponto central de cesta e sonda. Foto: Ten. Zach Fisher/U.S. Navy

O avião-tanque Boeing KC-46A Pegasus da USAF (Força Aérea Americana) foi liberado para realizar reabastecimento em voo (REVO) com sistema de sonda e cesta central. A autorização partiu da General Jacqueline Van Ovost, comandante do Comando de Mobilidade Aérea (AMC), como a primeira Liberação de Capacidade Provisória (ICR) do reabastecedor. 

Apesar de usar primariamente o sistema de lança e receptor, até mesmo por ser uma aeronave da USAF, o KC-46 pode reabastecer aeronaves que não são capazes de usar a lança de REVO usando o sistema de cesta sonda. O jato pode receber dois pods para reabastecimento nas pontas das asas, no entanto, apenas a mangueira central da fuselagem, chamada Centerline Drogue System, foi liberada para uso operacional.

Em comunicado, o AMC afirma que a decisão da General fornece mais capacidades operacionais diárias para a equipe conjunta e aumenta a capacidade para os requisitos da frota de aviões-tanque. 

“Os últimos seis meses de uso operacional e avaliação programática indicam que as condições foram atendidas para a declaração do ICR do conjunto de missão Centerline Drogue System”, disse Van Ovost. “Esta decisão reflete uma abordagem baseada em riscos, orientada por dados e analisada por restrições para liberar os recursos operacionais do KC-46A para a força conjunta.”

Um jato de ataque AV-8B Harrier II é reabastecido por um KC-46. Foto: Boeing.

O plano do ICR foi anunciado pela General em fevereiro, enquanto o comando buscava maneiras de atender aos extensos requisitos de reabastecimento aéreo da Força Conjunta, enquanto a Força Aérea continua os esforços de recapitalização e desinvestimento dos tanques.

“Isso exigiu que o AMC explorasse uma variedade de opções ou ‘alavancas de tanques’ para aliviar o estresse sobre a força de hoje”, disse a Comandante no Simpósio de Guerra Aérea da Associação da Força Aérea em fevereiro.

“O aumento do uso operacional do KC-46A é a maior alavanca única disponível para trazer capacidade adicional de reabastecimento aéreo para atender aos requisitos da força combinada conforme a frota de tanques é recapitalizada para atender às necessidades de nossos comandantes combatentes.”

Embora o KC-46A seja um sistema de armas em desenvolvimento com algumas restrições operacionais, o avião agora possui recursos comprovados que podem ser empregados operacionalmente para o REVO com cesta e sonda. Ainda assim, o avião baseado no 767 segue apresentando múltiplos problemas além de ser a causa de boa parte dos prejuízos da Boeing

Enquanto o AMC busca fornecer maior capacidade operacional a uma frota de aviões-tanque estressada, as deficiências da Categoria I ainda precisam ser resolvidas, incluindo o Sistema de Visão Remota 2.0 atualizado e um redesenho do Atuador do Telescópio de Lança. O KC-46A não alcançará a Capacidade Operacional Plena (FOC) até que essas deficiências sejam eliminadas.

Foto: Ten. Zach Fisher/U.S. Navy

O conceito de ICR fornece uma abordagem baseada em dados para certificar esses recursos de forma incremental à medida que o programa avança em direção à FOC.

“O ICR codifica para uso operacional o que já estamos executando diariamente à medida que o KC-46A avança em seu teste e avaliação operacional inicial, ou plano IOT & E,” disse Van Ovost. “Trata-se de trazer capacidade aumentada, previsível e passível de tarefa de reabastecedores para a equipe combinada hoje.”  

Em fevereiro, Van Ovost esclareceu que não há cronograma associado ao plano de ICR, que em vez disso se concentra em estabelecer medidas de confiança que permitem ao comandante do AMC e outros líderes seniores avaliar qualitativa e quantitativamente as realizações nos marcos de ICR. Se as medidas de confiança não forem atendidas, o ICR em um conjunto de missão específico não será declarado.

AV-8B reabastecendo com o pod da ponta da asa. Apenas a mangueira da centerline foi liberada para uso pelo AMC. Foto: USAF.

Embora o FOC ainda esteja a anos de distância, um progresso substancial continua.

“Temos simultaneamente temperado nossas tripulações e mecânicos enquanto identificamos e eliminamos as deficiências na crescente frota do Pegasus”, disse Van Ovost. “Estamos voando e operando hoje com os conjuntos de missão KC-46A, apesar das restrições, incluindo manobras transoceânicas de reabastecimento aéreo com caças, missões de Evacuação Aeromédica e transporte de carga e passageiros. O KC-46 está em uma taxa de subida positiva!”

Via Air Mobility Command – 18th Air Force. 

DEIXE UMA RESPOSTA