O secretário da Força Aérea Americana, Heather Wilson, poderá pedir para o Congresso dos EUA fundos para o programa de aeronaves de ataque leve ainda em 2018, um movimento que aceleraria a compra do avião pelo departamento em um ano, e ela seria realizada em 2019.

O financiamento para a aquisição das aeronaves de ataque leve está no momento programado para começar no ano fiscal de 2020, e há cerca de US$ 2,5 bilhões orçados nos próximos cinco anos para o programa, de acordo com a Força Aérea. A possível reatribuição de fundos foi relatada pela Aviation Week & Space Technology .

Dois aviões são finalistas da aeronave de ataque leve, ou OA-X, programa: Textron Aviation’s Beechcraft AT-6 Wolverine e Sierra Nevada/Embraer A-29 Super Tucano.

A Força Aérea está interessada em comprar aeronaves com propulsão para vigilância e tarefas de ataque leve, como uma alternativa mais barata ao invés de utilizar aviões com motores a reação, como o Lockheed Martin F-35, o Boeing F-15 ou a Fairchild Republic A-10.

As aeronaves de ataque leve são consideradas úteis em missões de contra-insurgência e antiterrorismo em países como o Afeganistão e o Iraque, onde o controle dos EUA sobre os céus não é contestado por aeronaves inimigas ou mísseis terra-ar.

Foto – USAF

Em julho passado, a USAF realizou o experimento OA-X no Holloman AFB, no Novo México. Várias aeronaves, incluindo a A-29 e AT-6, demonstraram como eles poderiam realizar a missão de apoio aéreo leve, que inclui funções de ataque leve e treinamento. A USAF também agendou uma experiência com os aviões do OA-X neste verão em Davis-Monthan AFB, Arizona, e convidou apenas a A-29 e AT-6 a participar.

A USAF já comprou 26 aviões Sierra Nevada/Embraer A-29 Super Tucano, como parte de um programa separado para equipar a força aérea afegã.

Tal discussão sobre o Super Tucano, confirma que aeronave de ataque leve da Embraer é bem vista no cenário mundial. Isso graças ao bom desempenho do caça em missões de patrulha de fronteiras, interceptação de helicópteros e aeronaves de asa fixa de pequeno porte e até ataque ao solo, além baixo custo, que é sempre interessante para um país.

 

Via – FlightGlobal