A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) anunciou os dados de transporte aéreo de passageiros de maio de 2022. Segundo o relatório, a recuperação das viagens aéreas acelerou, enquanto a alta temporada de viagens de verão do Hemisfério Norte se aproxima.

  • O tráfego total (medido em passageiro pagante-quilômetro ou RPKs) aumentou 83,1% em maio de 2022 em relação a maio de 2021, impulsionado em grande parte pela forte recuperação do tráfego internacional. O tráfego total atingiu 68,7% dos níveis pré-crise.
     
  • O tráfego doméstico aumentou 0,2% em maio de 2022 em relação ao mesmo período do ano anterior. Melhorias significativas em muitos mercados foram mascaradas pelo declínio ano a ano de 73,2% no mercado doméstico chinês, devido às restrições relacionadas à COVID-19. O tráfego doméstico de maio de 2022 atingiu 76,7% dos níveis de maio de 2019.
     
  • O tráfego internacional aumentou 325,8% em relação a maio de 2021. A flexibilização das restrições de viagens na maior parte da Ásia está acelerando a recuperação das viagens internacionais. Os RPKs internacionais de maio de 2022 atingiram 64,1% dos níveis de maio de 2019.

“A recuperação das viagens aéreas continua ganhando força. As pessoas precisam viajar e de fato viajam quando os governos eliminam as restrições relacionadas à COVID-19. Muitas das principais áreas de rotas internacionais — inclusive dentro da Europa e as rotas Oriente Médio-América do Norte — já estão ultrapassando os níveis pré-pandemia. A eliminação completa de todas as restrições relacionadas à COVID-19 é o caminho a seguir — a Austrália, nesta semana, foi o último país a eliminar as restrições. A principal exceção ao otimismo da recuperação das viagens é a China, que registrou uma queda dramática de 73,2% nas viagens domésticas em relação ao ano anterior. Sua política contínua de zero COVID está fora de sintonia com o restante do mundo e mostra a recuperação consideravelmente mais lenta das viagens relacionadas ao país”, disse Willie Walsh, diretor geral da IATA.

 

Nota da IATA: Voltamos às comparações de tráfego ano a ano, no lugar das comparações com o período de 2019, a não ser que especificado de outra forma. Devido ao tráfego reduzido em 2021, alguns mercados apresentarão taxas de crescimento ano a ano muito altas, mesmo que o volume desses mercados ainda seja significativamente menor em relação a 2019.