Míssil AIM-120 AMRAAM explode perto do drone houthi.

Um vídeo circulando nas redes sociais mostra um drone-suicida usado por rebeldes houthi sendo abatido por um caça F-15 Eagle da Força Aérea Real da Arábia Saudita (RSAF). 

O drone abatido é um Qasef-2k, uma versão do HESA Ababil-T iraniano, modificada para explodir em uma altura de aproximadamente 20 metros acima de uma tropa, matando ou ferindo pessoal com os estilhaços. 

O míssil usado parece ser um AIM-120 AMRAAM. Fabricado nos EUA pela Raytheon e usado por diversos países, o AIM-120 é um míssil de médio-longo alcance guiado por radar ativo, ou seja, não precisa ser guiado pelo radar de bordo do caça até atingir o alvo.

Apesar da disparidade de preços entre os dois materiais — um AIM-120C pode custar até US$ 1.16 milhões segundo o The War Zone o abate impediu que o UAV houthi fizesse um estrago maior na forma de um ataque contra uma estrutura estratégica (um depósito de munições ou combustíveis por exemplo) ou contra soldados. 

O AIM-120 logo antes de explodir ao lado do drone. Imagem: @saudi_power0/captura de tela.

No vídeo é possível notar que o míssil de origem estadunidense explode ao lado do UAV. Isso é por conta do fusível de proximidade, que detecta a distância entre míssil e o alvo, explodindo a ogiva do artefato quando este ultrapassa uma determinada distância. 

O alvo então é abatido ou seriamente danificado com os estilhaços lançados em altíssimas velocidades a partir do míssil. 

O uso de um míssil AIM-9 Sidewinder, bem mais barato que um AMRAAM, também é descartado por conta da baixa assinatura de calor do alvo. O emprego do canhão M61 Vulcan, de 20mm, pode ser considerado inseguro por conta da carga explosiva do drone, que poderia danificar o caça em a curtas distâncias.

Restos de um drone Qasef. Foto: EJ Hersom/Pentágono.

O uso de drones em ataques vem se popularizando cada vez mais, principalmente pelo baixo custo de fabricação e operação desses equipamentos. Em fevereiro, um Airbus A320 civil ficou danificado após um ataque de rebeldes Houthi no Aeroporto Internacional de Abha, no sul da Arábia Saudita. 

A RSAF opera três variantes do Eagle: F-15C/D Eagle, F-15S Strike Eagle e F-15SA Saudi Advanced. No vídeo não é possível identificar qual dessas aeronaves derrubou o Qasef.

Caças F-15C Eagle dos EUA e Arábia Saudita. Foto: RSAF.