Um Cessna 206, de 1968, com certeza não é uma avião nada automatizado como as novas aeronaves disponíveis no mercado.

Mas isso não impediu o Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos Estados Unidos (AFRL), em conjunto com a Dzyne Technologies, de desenvolver e testar com sucesso um sistema robótico de comando, durante uma demonstração no Dugway Proving Ground, em Utah.

O voo de aproximadamente duas horas, comandado totalmente por um robô e não tripulado, foi realizado no último dia 09 de agosto.

O sistema pode ser conferido no vídeo abaixo, e parece bem estranho à primeira vista. Um sistema de comando do manche e das manetes ficou a cargo de um robô no lado do co-piloto, enquanto um outro robô, no lado do comandante, estava a cargo dos pedais da aeronave, impondo comandos ao leme e freio.

O programa de conversão não-tripulada do piloto robótico pretende que um robô mecânico pilote uma aeronave da mesma maneira que um piloto humano faria.

O robô também lê os instrumentos do painel, e conta com vários sensores quem alimentam um computador, logicamente este realiza os comandos nas superfícies da aeronave, da melhor maneira.

A meta é criar um pacote de conversão de aeronaves comuns em aviões totalmente automatizados. 


“Imagine ser capaz de converter rápida e economicamente um avião de aviação geral, como um Cessna ou Piper, em um veículo aéreo não tripulado, fazendo com que ele voe de forma autônoma e devolvendo-o à sua configuração original”, diz Alok Das, senior cientista com o Centro de Inovação Rápida da AFRL. 

Ainda não é possível saber quanto tempo demora a instalação, ou se é necessário algum treinamento ou equipamento especial, pois a AFRL não respondeu imediatamente a um pedido de resposta. Também não se sabe quantas aeronaves da aviação geral são compatíveis com o Robopilot.

 

Via – FlightGlobal