FAB Resgate Helicóptero navio
Foto: Esquadrão Falcão/FAB.

O tripulante de um navio de bandeira panamenha foi resgatado pela Força Aérea Brasileira (FAB) na terça-feira (12) depois de ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Militares do Esquadrão Falcão (1º/8º GAv) da Base Aérea de Natal resgataram o tripulante a bordo do navio mercante MV Puffin Arrow. 

O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), organização da FAB responsável pela coordenação de missões aéreas, acionou o Esquadrão após o contato do Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico de Recife (SALVAERO Recife).

Os primeiros contatos do navio com os órgãos do Sistema de Busca e Salvamento foram realizados quando a embarcação estava navegando a cerca de 60 milhas náuticas à noroeste de Fortaleza (CE), aproximadamente 258 milhas da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. 

O helicóptero H-36 Caracal decolou de Parnamirim (RN), às 10h25, e seguiu diretamente para a vertical do navio para efetuar o resgate do tripulante por meio do içamento com o uso de um guincho de resgate.

Foto: Esquadrão Falcão/FAB.

O helicóptero manteve o voo pairado enquanto a equipe SAR (do inglês Search And Rescue – Busca e Salvamento) desceu até o convés do navio e içou a vítima com uso de um triângulo de resgate. Após o içamento da vítima, a aeronave, composta por uma tripulação de nove militares (três pilotos, dois operadores de equipamentos, três homens de resgate e uma médica), prosseguiu para Fortaleza, onde pousou às 12h40.

O Comandante do Esquadrão Falcão, Tenente-Coronel Aviador Wankley Lima de Oliveira, celebrou o sucesso de mais uma missão e destacou operacionalidades  da aeronave, principalmente as relacionadas ao raio de ação e capacidade de carga. “O H-36 Caracal permite ao Esquadrão realizar resgate em locais distantes dos aeródromos de apoio, com segurança e rapidez, o que é fundamental para o sucesso da atividade de busca e salvamento”, pontuou.

H-36 Caracal da Força Aérea Brasileira.

De acordo com o Sargento Aldecy Silva Oliveira, Homem de Resgate que participou da missão, os treinamentos contínuos com os Navios do Terceiro Distrito Naval proporcionam confiança na tripulação para realizar esse tipo de missão, mesmo se tratando de uma atividade complexa e repleta de variáveis. “A confiança dos membros da tripulação de resgate é fundamental para o sucesso da ação”, concluiu. 

Via Força Aérea Brasileira