A Força Aérea Brasileira (FAB) transportou, na madrugada desta terça-feira (11/06), duas vítimas da explosão em um barco no Rio Juruá, em Cruzeiro do Sul (AC), acidente ocorrido na sexta-feira (7). A aeronave VC-99 do Grupo de Transporte Especial (GTE) conduziu um homem de 45 anos e um menino de 3 anos e 4 meses, ambos em estado grave, de Rio Branco (AC) até Belo Horizonte (MG), onde serão submetidas a tratamento médico especializado.

O avião da FAB decolou de Brasília (DF) por volta das 19 horas de segunda-feira (10) com destino à capital acreana. A bordo estavam quatro tripulantes do GTE e seis profissionais de saúde – entre médicos, enfermeiros e fisioterapeuta – do Hospital de Força Aérea de Brasília (HFAB).

O comandante da aeronave, Major Aviador Davidson da Silva Paiva, conta que a operação de embarque e desembarque das vítimas ocorreu com rapidez e eficiência, demonstrando a sinergia entre os órgãos envolvidos. “Ao pousar na capital do Acre, as ambulâncias já estavam posicionadas e prontas. Em Belo Horizonte, toda a equipe médica também estava a postos, aguardando os pacientes”, detalha.

O chefe da equipe de saúde, Capitão Médico Giuseppe Muccini de Carvalho Cavalcanti Fernandes, relatou que a situação dos dois pacientes era gravíssima. De acordo com ele, a condição das vítimas exigiu cuidados especiais no transporte aéreo. “Existe a preocupação de manter a estabilidade dos pacientes, cuidados com os tubos de oxigenação e com a pele exposta para que não sofra com a alteração da temperatura e corra risco de infecção”, fala o oficial médico.

Satisfação

O Major Davidson declarou que a tripulação é contagiada por um sentimento de humanidade sempre que é acionada para realizar uma missão de UTI aérea. “Ao mesmo tempo em que temos pressa, o profissionalismo nos baliza na direção do cumprimento seguro da missão de salvar vidas”, relata. O mesmo sentimento de satisfação foi percebido na fala do Capitão Muccini. “Estou à frente da UTI aérea da FAB há nove anos. Muitas vidas foram salvas e é sempre uma alegria saber que a Força Aérea pode ajudar a população dessa forma”, conclui.

Fonte: FAB / Fotos: Soldado Talisson / CIAAR