OTAN BALTOPS Formação aviões báltico
Formação reuniu um A400 voando com caças Gripen, Hornet, Super Hornet, Typhoon e jatos de ataque Tornado e Harrier. Foto: OTAN.

A OTAN fez um voo de formação com 13 aviões de sete modelos diferentes durante um exercício militar no Mar Báltico. A operação se encerra neste sábado (18) e envolve 16 países. 

Designado BALTOPS (Baltic Operations 22), o exercício integrou 7000 militares, 75 aviões e 45 navios de guerra no Mar Báltico. Durante o treinamento, um voo de formação com 11 aviões sobrevoou a frota naval, marcando a coesão da aliança. 

Foto: OTAN.

Um A400 Atlas da Alemanha liderou a formação. Nas alas esquerda e direita, seis jatos de caça e ataque acompanharam o cargueiro: JAS-39C Gripen (Suécia), F/A-18C Hornet (Finlândia), Eurofighter Typhoon (Reino Unido), AV-8B Harrier II+ (EUA), F/A-18E/F Super Hornet (EUA) e Panavia Tornado (Alemanha).

O exercício BALTOPS 22 foi coordenado pelo Centro de Operações Aéreas Combinadas (CAOC) da OTAN em Uedem, Alemanha.

Bélgica, Bulgária, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Turquia, Estônia, Letônia, Dinamarca, França, Lituânia, Noruega e Polônia são os membros da OTAN que estão da manobra. Suécia e Finlândia, que estão prestes a aderir à Aliança Militar, também participam do exercício no Baltico.

OTAN/Divulgação.

De 6 a 18 de junho, meios aéreos e marítimos participam de eventos de treinamento real como defesa aérea, guerra antissubmarino, operações anfíbias, interdição marítima e operações de contramedidas de minas.

Esse ambiente de treinamento simula de perto as operações do mundo real, fornecendo treinamento essencial aos comandantes e tripulações operacionais, aponta o Comando Aéreo da OTAN.

“O CAOC Uedem recebeu a liderança no planejamento, coordenação, controle e monitoramento das operações aéreas integradas ao exercício BALTOPS, permitindo treinamento realista em vários domínios de aproximadamente 7.000 membros de países aliados e parceiros da OTAN”, disse o Coronel Wilhelm May, do Exercício Aéreo Diretor do CAOC, que também supervisionou os jogos aéreos durante a 50ª edição do BALTOPS em 2021.

OTAN/Divulgação.

“Este ano, estamos controlando o cenário BALTOPS ‘mais pesado’ na história do exercício, com um total de mais de 75 aeronaves aliadas e parceiras operando a partir de plataformas marítimas e terrestres. Estamos planejando mais de 400 missões, o que mais do que dobra nossas saídas do ano passado”, disse o Coronel May. 

“As missões que estamos controlando cobrem todo o espectro, desde ar-marítimo, ar-ar e ar-solo até antissubmarino, reabastecimento aéreo e exercícios de inteligência, vigilância e reconhecimento. Temos até 40 aeronaves no ar em uma série de 3 horas”, acrescentou o oficial, destacando a complexidade da tarefa de sua equipe.

OTAN/Divulgação.

O crescimento nas surtidas também é facilitado pelo fato de que, pela segunda vez, o BALTOPS integra os Dias de Grupo Aéreo Multinacional liderados pela Alemanha (MAGDAYs), gerando decolagens adicionais em apoio aos exercícios de treinamento conjuntos.

Caças da Alemanha, Bélgica, Turquia, Estados Unidos, Finlândia e Suécia, bem como aeronaves E-3A da OTAN e aviões-tanque estão envolvidos neste evento de treinamento dentro do conceito da OTAN do Grupo Aéreo Multinacional do qual a Alemanha é uma nação-quadro, explica o Comando. 

OTAN/Divulgação.

Os participantes deste exercício multinacional criam e sustentam parcerias e praticam uma ampla gama de áreas de missão para fortalecer as capacidades das unidades navais e aéreas participantes. Mais importante ainda, este exercício fortalece sua capacidade de operar como uma força conjunta e combinada coesa e responder a crises emergentes.