EasyJet Airbus
O Aeroporto de Lisboa encerrará a noite em 2020, deixando algumas companhias aéreas afetadas com cancelamentos de voos. Foto: dav via Wikimedia Commons

A EasyJet tem enfrentado problemas com seus passageiros devido a grande quantidade de voos cancelados para as próximas semanas. O maior motivo dos cancelamentos são a falta de funcionários para aeroportos e operações de solo.

Para evitar um colapso ainda maior, a companhia de baixo custo cancelou alguns voos programados para o mês de julho e vai realocar os passageiros em outros voos.

Para Johan Lundgren CEO da EasyJet, o principal motivo pela falta de funcionários é em razão da saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brext. Segundo o executivo a companhia aérea teve de negar empregos para 40% de cidadãos da União Europeia.

Esses cidadãos não possuem permissão para trabalhar no Reino Unido, ao todo foram cerca de 8 mil pessoas que não conseguiram trabalho na EasyJet.

“O número de pessoas é menor, é apenas matemática. Tivemos que recusar um grande número de cidadãos da UE por causa do Brexit. Antes da pandemia, teríamos recusado 2-2,5% por causa de questões de nacionalidade. Agora são 35-40 %”, disse Johan Lundgren.

Por outro lado, o ministro da aviação do Reino Unido Robert Courts, disse que o Brext não tem quase nenhuma influência sobre a falta de funcionários. 

“Nas evidências que temos, parece que o Brexit tem pouco ou nada a ver com isso”, afirma o ministro.

Desde meados de 2019, qualquer pessoa que desejar trabalhar no Reino Unido terá de fazer uma solicitação formal para ter o Visto de Trabalho Qualificado. 

Além do executivo da EasyJet, o CEO da Ryanair Michael O’Leary, também fez criticas ao Brext e disse que “tem sido uma bagunça”.

Falta de funcionários causa cancelamentos

EasyJet Airbus A319
Foto: Javier Bravo Muñoz / Wikimedia

A EasyJet deverá cancelar por dia pelo menos 40 voos em decorrência da falta de funcionários. Os cancelamentos antecipados são para que a empresa possa readequar a malha e evitar que outros voos sejam cancelados em cima da hora.

Dessa maneira, a companhia de baixo custo consegue remanejar passageiros em outros voos com a certeza que o voo será operado. Ao todo, a empresa deverá cancelar 1.700 voos somente no mês de junho.

A falta de funcionários para os aeroportos foi um problema gerado após a demissão de milhares de trabalhadores em razão da pandemia de Covid-19. A demanda tem superado os números anteriormente previstos, e por isso as empresas não estão preparadas.

Além da EasyJet, companhias como a Lufthansa e KLM também estão enfrentando problemas e buscando adequar suas malhas para evitar maiores transtornos aos passageiros com viagens programadas.

 

 

Com informações da Simple Flying