Como todo bom avião europeu, o ATR surgiu a partir da junção de dois fabricantes diferentes, a Aerospatiale (França) e Alenia Aeronautica (Itália), e 4 anos após sua criação o primeiro modelo já realizava seus primeiros voos, a aeronave era o ATR 42-200 mas apenas para testes, a versão inicial e oficial foram os ATR 42-300, e se manteriam no mercado até o ano de 1996.

Eles chegaram no mercado no momento ideal, não havia crise de petróleo ou coisas parecidas no mercado econômico global para atrapalhar seu desenvolvimento. E além disso o ATR substituiu outros aviões que estariam ficando velhos, ou que apresentariam problemas, fazendo com que os mesmos se aposentassem um pouco antes do seu tempo planejado como os Fokker F-50.

Mudando o conceito que aviões à hélice são velhos e obsoletos (Infelizmente isso ainda persiste no imaginário popular principalmente o brasileiro) os mesmos utilizam modernos motores que misturam a tecnologia dos jatos com hélice modernas e potentes, com 6 pás, o que os tornam mais potentes e silenciosos. Ele é tido como a aeronave ideal para as operações regionais, já que necessitam de pouca pista para realizar sua operação de pouso e decolagem, é bastante operada para ligar pequenas cidades à aeroportos centrais e subcentrais, coisas comuns na Europa e alguns países pelo mundo como o Brasil e EUA.

Em seus dois modelos o ATR leva em média 40 a 70 passageiros em uma classe, e podem pousar e decolar de pistas com menos de 1500 metros.

 

Evolução das hélices

Diferente do que muitos pensam, o ATR não funciona como as aeronaves de motor a pistão, ele utiliza um moderno conjunto de motor reativo e hélice, que possibilita ser rápido, silencioso, eficiente e econômico, quando comparado a outras aeronaves. No entanto ele é recomendado para voos abaixo de 750km já que existem concorrentes a jatos que podem voar mais alto e rápido que ele se tornando mais viável e econômico já que quanto mais alto se voa menos arrasto tem logo o consumo de combustível é menor.

 

ATR no Brasil

_DSC5008flape

 

A relação dos pequenos com o Brasil vem se tornando cada vez mais intensa nos últimos anos principalmente por causa da Azul que domina no mercado regional brasileiro. Fatores como aeroportos pequenos ou pouca estrutura para receber um avião a jato o ATR foi escolhido para esse tipo de mercado nacional o qual vem ganhando espaço cada dia mais já a aviação vem se tornando cada vez mais abrangente para todos os públicos no mercado nacional não podendo ficar de fora as cidade pequenas e do interior.

 

Sucesso

Com um público fiel, o ATR conquistou seu espaço no mercado de aviões e vem se tornando peça fundamental na frota de muitas companhias aéreas ao redor do mundo, e logicamente fazendo dele um sucesso de vendas, a versão 72 é a mais procurada e comprada da empresa, tendo por volta de 789 aeronaves construídas até hoje apenas dessa versão, no total foram 1227 aviões vendidos pela empresa ao longo dos seus quase 30 anos.

 

Concorrentes

Foto - JDL Multimedia
Foto – JDL Multimedia

O pequeno avião europeu encontra-se como atual concorrente direto do Q-400 e Q-300 da canadense de Havilland Canada, tendo características parecidas e um número de vendas também, são mais de 500 no total, juntando todas as suas versões sendo um dos maiores sucessos da aviação mundial ao redor do mundo.

COMPARTILHAR
Igor Danin

Estudante , sou da Aeroflap desde novembro de 2013 e acompanhei o crescimento e sucesso da página desde o início antes de me tornar adm, e agora que faço parte da equipe cresço junto com o site.