A Leonardo, uma das empresas que é responsável pela ATR, disse que está descartado por enquanto o projeto de um turboélice com mais de 100 assentos. A empresa disse que a sua parte estava disposta a investir em um novo avião para expandir o mercado de atuação da ATR, enquanto a Airbus sugeria a não construção de uma nova aeronave.

A Airbus não mostrou interesse em tal investimento, mas Leonardo chegou ao ponto de sugerir que estava preparado para fazer esse novo avião sozinha, mas com a marca ATR.



O Grupo Airbus preferiu concentrar seus esforços financeiros para recuperar alguns mercados, como a divisão de helicópteros, enquanto a Leonardo terminou 2017 com um bom resultado financeiro, e disposta a investir em um novo projeto.

Porém sem apoio da Airbus, o novo projeto não sairá, visto que agora nenhuma das duas empresas está interessada em um turboélice que transporte até 100 passageiros. O novo avião demanda uma nova fuselagem, asas e também novos motores.

A ATR segue como uma boa parceria formada por ambas, ela domina 75% do seu mercado no mundo, e espera crescer ainda mais nos próximos anos. Com o avanço da aviação regional na Ásia e na América.