Depois de incidente, FAA pede que companhias verifiquem os motores do A380

Uma diretriz de emergência da FAA, uma agência americana de segurança da aviação, recomendou que todas as companhias que operam o Airbus A380 equipado com motores Engine Alliance GP7200 realizem uma revisão urgente no conjunto do fan frontal, incluindo o Fan Disk e sua fixação com o eixo do motor.

Essa recomendação vem após um A380 da Air France sofrer um sério incidente, durante um voo de Paris para Los Angeles no dia 30 de setembro. A aeronave em questão estava com todos os itens revisados de acordo com o manual, e 3527 ciclos de funcionamento do motor.

A FAA aproveitou para indicar o problema como “motor de ciclo relativamente alto”, citando que as companhias precisam remover o Fan Frontal caso encontrem problemas durante a inspeção visual. O ciclo alto pode indicar uma fadiga que ocorre somente com muito uso do motor, indicando um problema de projeto da peça.

Esse procedimento também evita falhas no cubo do ventilador, danos ao motor e um potencial dano à estrutura da aeronave.

A FAA ainda lançou uma recomendação que os aviões com motores que ultrapassaram 3500 ciclos devem ser verificados em até duas semanas, a partir da data que a recomendação foi lançada. Os aviões com motores que acumulam de 2000 a 3500 ciclos deverão ser verificados em até 5 semanas. Os outros em até 8 semanas.

A causa da falha ainda não foi determinada, mas a FAA está fazendo essas recomendações para evitar novos incidentes em voo. 

 

O problema

No dia 30 de setembro um voo da Air France estava indo de Paris para Los Angeles, sendo realizado pelo Airbus A380.

O problema aconteceu a cerca de 320 km de Nuuk, capital da Groenlândia, porém o piloto decidiu seguir para a cidade canadense pela maior infraestrutura, capaz de receber o pouso de um Airbus A380. Os pilotos desceram o A380 para a altitude de 31 mil pés, anteriormente a aeronave estava no FL370 (37 mil pés), e voaram por 2 horas até Goose Bay, os passageiros ficaram mais 2 horas dentro do A380 porque não havia escada para desembarque.

A primeira impressão sobre o problema ocorreu com a queda da pressão hidráulica, seguida por um forte estouro com vibrações anormais, os pilotos logo desligaram o motor defeituoso e informaram o problema para o controle de tráfego aéreo. A Base da Força Aérea Canadense de Goose Bay também informou que detritos foram retirados da pista, depois do pouso do A380.

A parte frontal do motor, onde se localiza o “ventilador frontal” e o fan disk, foi simplesmente arrancada, juntamente com a carenagem externa e interna.

A aeronave é equipada com quatro motores GP7270, fabricados pela Engine Alliance.

 

Via – FlightGlobal

COMPARTILHAR