Os esquadrões de caça A-29 Super Tucano da Força Aérea Brasileira iniciaram no Campo de Provas Brigadeiro Velloso (CPBV), no Pará, o Exercício Operacional Cachimbo 2016 que vai até o dia 16 junho. Os militares realizam o treinamento e a qualificação das equipagens no emprego ar-solo com a utilização de bombas de exercício, bombas reais, foguetes e cartuchos. A primeira unidade aérea a participar da atividade é o Esquadrão Escorpião (1º/3º GAV) de Boa Vista (RR). Até o próximo mês, os esquadrões Grifo (2º/3º GAV), sediado em Porto Velho (RO), e Flecha (3º/3º GAV), sediado em Campo Grande (MS), também farão o treinamento.

Neste ano, as unidades aéreas aumentaram a capacidade de lançamento de foguetes. Os casulos onde os armamentos ficam armazenados até serem acionados foram substituídos e a capacidade mais que dobrou, passando de sete para 19 foguetes. “Além de aumentar a capacidade de emprego armado das unidades, esse aumento vem de uma sinergia para minimizar custos e otimizar os resultados”, explica o Comandante do Esquadrão Escorpião, Tenente-Coronel Leonardo Venancio Magrich. O incremento dos armamentos faz parte de um esforço conjunto entre a Terceira Força Aérea (III FAE), responsável pela aviação de caça da FAB, do Parque de Material Bélico de Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAMB-RJ), do CPBV e das próprias unidades aéreas.

Durante o exercício, os militares realizam o lançamento de bombas nas modalidades de bombardeio em grande altitude, acima de 3.048 metros; média altitude, de 1.524 até 3.048 metros; e rasante, quando voam abaixo dos 1524 metros. Já os tiros terrestres são feitos a partir das metralhadoras .50 instaladas nas asas da aeronave, o emprego ar-solo é realizado principalmente em situações de ataque.

Além disso, a atividade servirá para manter o adestramento do pessoal de manutenção quanto à preparação e à operação de armamento real e dar continuidade à formação dos futuros líderes de esquadrilha da aviação de caça, quando o piloto é habilitado para gerenciar uma missão com outras três aeronaves. “Nosso foco é a formação dos pilotos mais novos e torná-los capazes de realizar missões de ataque, apoio aéreo aproximado, cobertura, interceptação e escolta. Tudo isso serve de embasamento para realizarem a transição até a primeira linha da caça, quando passarão a pilotar os F-5”, complementa o Tenente-Coronel Magrich.

 

Fonte – Força Aérea Brasileira

COMPARTILHAR