Uma coisa está clara para a maioria das pessoas que conhecem aeronaves militares, com o avanço da tecnologia Stealth nos caças a regra agora é guerra eletrônica nos céus, ganha quem está equipado com o radar mais potente, o míssil de longo alcance e alta precisão e também a capacidade maior de se esconder dos radares.

Apesar disso os Estados Unidos querem alterar tudo durante uma apresentação incrível no Paris Air Show, que está ocorrendo nesta semana na França.



“Depois de 10 anos desde o primeiro voo, temos a nossa primeira oportunidade de demonstrar as capacidades e a manobrabilidade do F-35A, vamos esmagar anos de desinformação sobre o que esta aeronave é capaz de fazer”, disse Billie Flynn, o piloto de teste da Lockheed Martin em entrevista ao Aviation Week, e também em nota oficial da USAF.

Sukhoi SU-35.

Essa citação de Flynn se refere à ampla divulgação da mídia sobre a capacidade de manobras do F-35, os caças russos como o SU-35 tem muita manobrabilidade em voo e isso é sempre um ponto de destaque de suas apresentações aéreas, boa parte dessa manobrabilidade provém de uma saída de gases do motor com vetorização, isto é, os motores criam movimentos que as superfícies aerodinâmicas de controle da aeronave não conseguem.

A intenção dos EUA agora é simplesmente destruir as apresentações anteriores do F-18, F-16 e do concorrente Eurofighter com um display de manobras bem radicais.

O portal Aviation Week também aproveitou a nota de demonstração da USAF para a imprensa e conseguiu um mapa da demonstração que o caça irá realizar. Sabe aquela subida em 90º? Irá ter nessa apresentação, pura potência de somente um motor Pratt & Whitney. Veja o display de demonstração abaixo e o quão radical são as manobras citadas (com números).

Foto – Aviation Week/Reprodução
Foto – USAF

Claro que nossa equipe apoiou esse display de demonstração, que terá inclusive uma virada no eixo horizontal na decolagem e um loop quadrado, porque o importante aqui é mostrar a capacidade de pitch instantâneo. A partir do número 20 a aeronave fará o famoso parafuso chato, descendo em estol com rotação no eixo axial da aeronave.

E como não falar do loop de potência, onde a aeronave segue em linha reta com o nariz altamente inclinado, em seguida sobe para um loop comum mas de raio curto. O voo é tão difícil que precisou de 800 seções nos simuladores para certificar a capacidade de realizar o display de testes.

Olha que o F-35 ainda está limitado, com a atualização de hardware na fase 3i a aeronave só pode executar manobras com no máximo 7G, e isso é realmente muito, nessa situação uma pessoa de 80 kg passa a pesar 560 kg. Com a futura atualização 3F, que será implementada em breve na aeronave de demonstração, o F-35 será capaz de executar manobras com até 9G.

O show aéreo do F-35 terá cerca de 6 minutos, infelizmente, o nível das manobras exige um fechamento geral do centro de aproximação de aeronaves em Paris, seria como fechar a TMA São Paulo por seis minutos, nenhum voo pousa ou decola, e em Paris há um agravante, o Aeroporto Charles De Gaulle.

Foto – USAF

Apesar de estar confiante na capacidade de manobras do F-35 Flynn confessa, “Mas não se esqueça, não é assim que dominamos [os céus], dominamos por causa da capacidade Stealth e da fusão de sensores”.

 

Exposição militar dos EUA

Além de levar 2 caças F-35 para o Paris Air Show, as fabricantes americanas ainda estão expondo um CH-47 Chinook e um helicóptero AH-64 Apache, um CV-22 Osprey, um C-130J Super Hercules, um P-8 Poseidon, dois F-16 Fighting Falcon, e para os dias de públicos geral um KC-135R Stratotanker.

 

Via – Aviation Week e USAF