A Infraero está licitando área de 28,5 mil m² para implantação de uma megaloja no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP). O objetivo é ocupar o espaço localizado na esquina da Avenida Washington Luiz com a Rua Tamoios (antiga área da VASP) com um empreendimento comercial que ofereça lojas de grande porte, com estacionamento e atividades comerciais suplementares e de serviços. O prazo da concessão será de 300 meses (25 anos).

O preço básico inicial é de R$ 40 milhões, valor que poderá ser parcelado em até três vezes após a assinatura do contrato, sendo R$ 20 milhões até o décimo dia útil; R$ 10 milhões em até 12 meses e o restante em até 24 meses. Além desse valor, o processo prevê um preço mínimo mensal de R$ 380 mil e 3% sobre o faturamento bruto mensal do concessionário.

“Além da localização privilegiada, a proposta da megaloja pretende aproveitar o potencial do negócio para oferecer opções de serviços à comunidade local, passageiros e usuários do aeroporto, que poderão contar com um centro de compras e serviços”, avalia o presidente da Infraero, Antônio Claret de Oliveira.

Os dados da economia local também indicam que o empreendimento é promissor. “A economia paulista corresponde a 32% do PIB brasileiro. Além disso, cerca de 31% da receita nacional de comércio vem do Estado, que conta com grande oferta e demanda de serviços, que o caracterizam como o maior polo do setor terciário nacional”, afirma o diretor Comercial da Infraero, José Cassiano Ferreira Filho.

O aviso de licitação está publicado no Diário Oficial da União. O recebimento das propostas será no dia 12/09, na sede da Infraero, em Brasília.

O local já é conhecido por ser usado para fazer eventos de grande porte, como a LABACE, que ocorrerá na semana que vem e reúne mais de 45 aeronaves da aviação executiva, movimentando mais de 1 bilhão de reais em compras. Sem o espaço extra o Aeroporto de Congonhas não terá nenhuma área sobressalente para realizar eventos especiais e nem receber aeronaves.

Os hangares estão desativados pelo menos desde a falência da VASP, e até então o governo não realizou a licitação para uma companhia usar a estrutura para abrigar suas aeronaves, apesar que as companhias TAM, GOL e Avianca já têm hangares para possibilitar a manutenção de suas aeronaves.

Etapas

Após a assinatura do contrato, o concessionário deverá apresentar os projetos e licenciamentos de construção do empreendimento em até 24 meses. Uma vez aprovados, os projetos deverão ser executados em 12 meses. “Nossa estimativa é que o estabelecimento entre em operação em 36 meses após a assinatura do contrato”, afirma o superintendente de Negócios em Áreas Externas e Serviços Aéreos, Claiton Resende de Faria.

De acordo com a Infraero a licitação da megaloja em Congonhas faz parte de uma estratégia da Infraero de ampliar a ocupação de áreas em diversos aeroportos. Há uma série de projetos em estudo, com destaque para o Inova Congonhas, que pretende expandir o aeroporto por meio de uma parceria com concessão comercial; a concessão do terminal de cargas de Manaus, dentro da nova estratégia de soluções logísticas da Infraero, entre outros.

COMPARTILHAR