O CEO da Southwest Airlines, uma companhia aérea Low-Cost americana, criticou o novo tipo de classe econômica (Basic Economy) que está sendo implementada por algumas companhias aéreas americanas, como a American Airlines, Delta e United.

“Eu gostaria de dizer que aqui na Southwest não existe uma segunda classe e, por conta disso, estamos sempre na busca de melhorar a experiência do passageiro e oferecer sempre o mais simples e essencial possível. Mudanças complexas podem trazer confusão e levar uma certa ‘nebulosidade’ para nossa marca. Logo, o que fazemos aqui é posicionar fortemente nossa marca ao oferecer tarifas baixas e serviços confiáveis e confortáveis. O fato de não cobrarmos por bagagem despachada e por troca de reservas das passagens se tornou um componente extremamente poderoso para a empresa na concorrência geral”, disse o CEO da Southwest, Gary Kelly.

A nova tarifa básica lançada pela American Airlines não dá direito ao passageiro de marcar assento, transportar bagagem de mão e nem embarcar junto com os passageiros da econômica, assim como publicado pela Aeroflap neste mês.

O CEO da Southwest afirma que investir nesse tipo de tarifa é um risco, já que todos os direitos dos passageiros são retirados, a concorrência se resume ao preço da tarifa e não aos serviços prestados. O CEO ainda reforça que a Southwest irá dar direito a bagagens despachadas e troca de voo sem custo extra.

Foto – Southwest/Reprodução

Enquanto ainda se gabam do lançamento de sua tarifa básica (Basic Economy), que promete o menor preço acima de qualquer benefício, a Southwest Airlines parece seguir o caminho inverso. Isto é o que afirma o CEO Gary Kelly, ao negar que irá seguir as maiores companhias norte-americanas e implementar este tipo de serviço. Para o executivo, está claro que o investimento em sua estrutura de tarifas continua firme e forte, o que inclui bagagens despachadas e direito a trocar de voo sem custo extra.

Essa é uma estratégia da Southwest chamada de “Business Select”, que visa atrair um público menos sensível ao preço e que busca essas regalias de uma companhia aérea.

A Delta foi a primeira que implementou esse tipo de serviço, em maio de 2015, foi seguida pela American Airlines e a United, esta última irá começar a vendas da Basic Economy somente em março deste ano para destinos específicos.

A United declarou que espera gerar US$ 250 milhões a mais de receita este ano a partir dessa segmentação de assentos, e até US$ 1 bilhão até 2020.

 

Via – USA Today

COMPARTILHAR