Está aproximando o primeiro voo do Saab Gripen E, o voo deve ocorrer no segundo semestre desse ano. Atualmente o primeiro Gripen E está em fase de testes de taxi em baixa velocidade, outros dois modelos já entraram em fase final de montagem em Linköping na Suécia.

Outra grande expectativa por parte da Saab é o aumento de clientes para os atuais modelos C/D e o E/F que é versão mais moderna do caça sueco, segundo o diretor de marketing e vendas da Saab, Richard Smith existe discussões para a negociação com a Botswana e Eslováquia, bem como uma possível proposta para a Bulgária.



Outro país que pode entrar para a lista seria a Índia, no qual poderia ter um lote de 150 aeronaves, além de haver a possibilidade de aeronaves para a marinha indiana com a versão naval do Gripen, que é chamado de Gripen Maritime.

As visões para o futuro são muito boas, pois existe a possibilidade de venda do Gripen E para países como, Canadá, Indonésia, Finlândia, Malásia e Suíça, Smith está confiável, “Estamos em uma posição muito boa agora, tendo ambas as plataformas”.

A empresa SAAB está modernizando os Gripens C/D da força aérea da República Tcheca, atualizando o software MS20, software que entrou em uso na Suécia ano passado. Além da República Tcheca, a Hungria também terá seus Gripen C/D com o software MS20 e existe um dialogo da SAAB com as forças aéreas sul africana e tailandesa.

O Gripen E é a principal base para o Gripen NG, este último encomendado pelo Brasil em uma versão de produção exclusiva. Entre 2019 e 2024, 36 caças Gripen NG serão entregues à Força Aérea Brasileira. Para cumprir o cronograma, a Saab tem uma forte parceria colaborativa com empresas brasileiras, tais como Embraer, AEL Sistemas, Akaer, Atech, Mectron, Inbra e Atmos.

Foto – Embraer/Divulgação

Em novembro de 2016 a Saab inaugurou juntamente com a Embraer, um centro de desenvolvimento do Gripen NG no Brasil, localizado em Gavião Peixoto. O local irá atender o programa de transferência de tecnologia para o Brasil  que cobre quatro áreas:

• Treinamento teórico;
• Programas de Pesquisa e Tecnologia;
• Treinamento on-the-job na Suécia;
• Desenvolvimento e produção.

Entre outubro de 2015 e 2024, mais de 350 profissionais, entre engenheiros, operadores, técnicos e pilotos das empresas parceiras da Saab e da Força Aérea Brasileira, foram para a Suécia participar de cursos e treinamentos on-the-job.

Ainda em novembro a Saab atrasou em 6 meses o primeiro voo do Gripen E para realizar mais testes e aprimorar os requisitos de desenvolvimento do novo software. O cronograma de entregas foi mantido.