• Instagram
  • Feed
  • Telegram
  • Youtube

Aeroflot 593: Quando filhos de um piloto causaram tragédia com Airbus A310

Aeroflot Airbus A310 Voo 593
Foto: Burmarrad / Plane Spotters

Aeroflot 593: Antigamente era comum e não era proibido que passageiros pudessem visitar o cockpit da aeronave em voo, nos dias de hoje é proibido, mas o que cooperou para essa proibição? 

Neste artigo, você vai conhecer a história do voo 593 da Aeroflot que uma visita sem qualquer maldade da família de um dos pilotos causou um grave acidente em 1994.

O voo

A tradicional companhia aérea russa, Aeroflot, operava voos semanais entre Moscou e Hong Kong. O voo 593 tinha como origem o Aeroporto Internacional Sheremetyevo para o conhecido Aeroporto Internacional de Kai Tak.

A novidade dos anos 90 na frota da companhia era o Airbus A310 que estava sendo introduzido na frota a partir de meados de 1992. 

Com configuração para 185 passageiros, o novo avião europeu era uma aposta da Aeroflot para os voos internacionais. A configuração era dividida em três classes sendo: 12 passageiros na Primeira Classe, 35 na Executiva e 138 na Econômica.

No dia 23 de março de 1994 o voo era operado pelo Airbus A310-300 de matrícula F-OGQS, aeronave que a companhia havia recebido há menos de dois anos.

A bordo estavam cerca de 63 passageiros, entre eles 40 cidadãos de nacionalidade russa e 23 passageiros de outras nacionalidades e mais a tripulação de 12 pessoas, três pilotos e nove comissários. 

Uma informação importante para a história, como citamos no começo, a bordo estava a família de um dos pilotos. O piloto Yaroslav Vladimirovich foi acionado para substituir um dos pilotos titulares.

No voo de Moscou para Hong Kong estavam os dois filhos de Yaroslav, Eldar de 16 anos e Yana de 12 anos.

O voo iniciou tranquilamente e sem qualquer problema, o Airbus A310 seguiu rumo à Hong Kong.

Visita ‘fatal’

Depois de algum tempo voando, já sobrevoando a Sibéria, os filhos do piloto Yaroslav foram fazer uma visita até a cabine de comando do Airbus. Antigamente era permitido e era algo que muita gente queria fazer, principalmente em viagens longas.

Tanto Eldar como Yana sentaram na cadeira do pai, no comando da aeronave que estava em altitude de cruzeiro de 40 mil pés. 

O pai acionou o piloto automático do avião e em seguida pediu para sua filha mais nova sentar-se na posição do Comandante. Yana chegou a fazer movimentos com os controles do Airbus A310 mas nada que pudesse causar algum problema.

Já na vez de Eldar, o filho mais velho, o jovem de 16 anos realizou os mesmos movimentos que a irmã porém com mais força. 

Ao aplicar mais força nos comandos da aeronave, o piloto automático foi desativado e o controle foi passado para o filho do Comandante de forma parcial. Com isso, Eldar acabou inclinando o avião da Aeroflot para a direita e isso fez com que alguns alarmes fossem disparados na cabine.

Os dois pilotos não sabiam o que estava ocorrendo naquela hora, e a aeronave seguia inclinando para direita. Após alguns segundos já estava com a inclinação em 45º e logo depois para 90º.

A essa altura, o Airbus A310 já estava incontrolável pois esse ângulo de inclinação não tem condições de o avião lidar com essa situação sozinha. 

Já em uma descida acentuada e a velocidade alta, a aeronave perdeu sustentação e entrou em estol com uma razão de descida muito alta e causando uma força G que dificultava o trabalho dos pilotos.

Os pilotos lutaram e conseguiram retomar o controle da aeronave mesmo com diversos objetos voando em direção à eles, o primeiro oficial conseguiu mudar as manetes de potência e logo depois nos controles da aeronave.

O primeiro oficial Piskaryov deu mais potência nos motores e puxou os controles para tentar nivelar a aeronave, porém o movimento de subida do Airbus A310 foi tão forte que a aeronave da Aeroflot voltou a perder sustentação.

Mas nesse curto período, o Comandante Yaroslav conseguiu sentar-se de volta no seu assento e retomar os controles mas nada adiantou. 

Com a manobra mais brusca do primeiro oficial, o Airbus entrou em parafuso e girou rapidamente rumo ao solo. A única maneira de salvar todos os ocupantes a bordo era ativar o piloto automático novamente e largar os controles do Airbus.

Mas ao invés disso, o Comandante novamente agiu e tentou compensar com o comando do leme do avião e puxou com força para que o Airbus voltasse a ficar nivelado, até deu certo mas com a razão de descida muito alta, o esforço acabou sendo em vão.

O Airbus A310 da Aeroflot caiu sobre a floresta Kuznetsk Alatau na Sibéria, vitimando todos os 75 ocupantes da aeronave. 

 

Investigações

As caixas pretas do avião da Aeroflot foram recuperadas e foram importantes para esclarecer os fatos. Durante algum tempo a companhia ficou em silêncio tentando ‘abafar’ que os filhos do Comandante estavam na cabine. 

Ao final daquele 1994, as investigações concluíram que os filhos do Comandante Yaroslav foi um dos fatores contribuintes para o trágico acidente. Além disso, houve falta de treinamentos específicos e intensificados para os dois pilotos.

A Aeroflot não tinha um treinamento especifico para lidar com o piloto automático do avião, tanto que os pilotos não sabiam que dependendo do movimento, o sistema era desativado parcialmente. 

Com o avião novo, o treinamento não foi aprofundado e os pilotos tiveram dificuldades em lidar com os novos sistemas da Airbus.

Após esse acidente que vitimou 75 pessoas, a companhia aérea russa reforçou seus treinamentos para pilotos, mudou regras e passou também a reforçar que não iria autorizar visitantes na cabine.

Foto: Blog Desastres Aéreos

Este acidente do voo 593 cooperou para que a regra fosse implementada, porém somente após os ataques de 11 de setembro as regras e o sistema de segurança na cabine foi intensificado.

Não foram encontradas falhas no sistema do A310 e nenhuma outra falha em qualquer parte da aeronave. 

 

 

 

Quer receber nossas notícias em primeira mão? Clique Aqui e faça parte do nosso Grupo no Whatsapp ou Telegram.