Bombeiros, militares da FAB e da Força Nacional estão em Moçambique para ajuda nas ações humanitárias. Foto - FAB

As duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) que levaram ajuda aos atingidos pelo Ciclone Idai pousaram, por volta das 12h50 (07h50 no horário de Brasília) desta segunda-feira (01/04), na cidade de Beira, em Moçambique.

Os dois C-130 Hércules transportaram mais de 20 toneladas de suprimentos e equipamentos, além de 40 militares da Força Nacional e do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Após 19 horas e 20 minutos de voo, em quatro dias, as equipes brasileiras foram recebidas pelo

Embaixador do Brasil em Moçambique, Carlos Alfonso Iglesias Puente; pela Diretora-Geral do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades de Moçambique, Augusta Maita; e pelo Adido de Defesa do Brasil em Moçambique. No desembarque, um grupo de brasileiros recepcionou os militares no aeroporto com bandeiras e gritos de apoio e agradecimento.

C-130 fazendo uma escala técnica em Recife. Foto: FAB

“Esta ajuda do Brasil é muito bem-vinda, se junta a todo um esforço internacional que apoia nossa população que sofre desde o dia 14 de março com o ciclone e com os alagamentos. Ao todo, 518 pessoas já morreram em nosso país. Estamos agradecidos ao Brasil e sensibilizados com esse apoio”, disse Augusta Maita.

Para o Embaixador, o esforço da FAB foi essencial para a chegada da ajuda brasileira. “Senti muito orgulho de ver a bandeira do Brasil e essas duas aeronaves chegando em um momento tão difícil. Essa ajuda era muito esperada. O apoio da FAB foi fundamental para o transporte de suprimentos e militares. Uma ajuda muito necessária”, ressaltou.

 

Esforço aéreo logístico

A missão de assistência humanitária, considerada de grande complexidade pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), foi acionada na quinta-feira (28/03) por meio do Ministério da Defesa e por determinação do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Já na sexta-feira (29/03), as duas aeronaves da FAB e suas tripulações estavam prontas para o cumprimento de uma rota que envolveu a travessia do Oceano Atlântico e pousos técnicos em dois países antes da chegada a Moçambique.

Os aviões do Primeiro Grupo de Transporte – Esquadrão Gordo (1ºGTT), saíram do Rio de Janeiro na sexta-feira (29/03), às 18 horas, com insumos de assistência humanitária fornecidos pelo Ministério da Saúde.

C-130 da FAB em Luanda, Angola antes de seguir até Moçambique, Foto: FAB

Na primeira parada, em Belo Horizonte (MG), bombeiros e militares da Força Nacional embarcaram com quatro veículos, botes, equipamentos de logística e recursos tecnológicos para operações de busca e salvamento.

Ainda no Brasil, os aviões fizeram uma última parada técnica no Recife (PE). Lá, as aeronaves foram reabastecidas e as tripulações substituídas: de seis homens em cada Hércules, as equipes passaram a contar com 10 militares.

Na África, após quase nove horas cruzando o Oceano Atlântico, os Hércules C-130 pousaram em Abidjan, na Costa do Marfim. “Aqui realizamos o reabastecimento da aeronave depois dessa grande quantidade de horas. Apenas um pouso técnico”, comentou o comandante de uma das aeronaves, Capitão Aviador Roberto Lopes Gomes.

Para ajudar nas ações humanitárias, foram enviadas viaturas da Força Nacional, bem como soldados- Foto: FAB

ais 5 horas e 40 minutos e os aviões do 1º GTT chegaram a Luanda, em Angola. O Embaixador do Brasil no país, Paulino Franco de Carvalho Neto, se encontrou com os militares da missão. O órgão diplomático prestou apoio ao grupo e o Embaixador ressaltou a importância do trabalho da FAB no transporte.

“A Força Aérea demonstra, mais uma vez, seu profissionalismo, sua capacidade de reagir às emergências e de apoio às demandas do Governo do Brasil. A operação conjunta demonstra também nossa capacidade de agir no plano internacional, incluindo a África, que precisa tanto do nosso apoio”, disse.

A decolagem do Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, em Luanda, com destino à cidade de Beira, aconteceu às 6h10 da manhã (2h10 no horário de Brasília).

“Essa missão gerou uma demanda muito grande. Foram muitos lugares diferentes, negociações, acordos internacionais, precisávamos definir a melhor rota. Mas é uma missão muito prazerosa. A gente treina e fica sempre pronto para isso. É gratificante ajudar a salvar vidas”, declarou um dos pilotos da missão, Capitão Aviador Nelson Dias da Silveira Costa.

Militares da Força Nacional estão ajudando nas ações humanitárias. Foto: FAB
Foto: FAB

Para o Sargento Leandro Francisco Cardoso a missão também é gratificante. “Nossa missão aqui é trazer ajuda e apoiar esse povo tão sofrido. É muito bom se sentir útil e usar tudo aquilo que aprendemos na Escola de Especialistas e na carreira. Estamos ajudando o povo moçambicano a ter um pouco mais de alento”, completou.

Entre os materiais transportados estão água potável, veículos de transporte como camionetes e botes motorizados, barracas, geradores, torres de energia, macas, equipamentos de mergulho, além de ferramentas como motosserras, pás e enxadas.

Um carregamento do Ministério da Saúde também foi levado. Ao todo, são seis kits de medicamentos e insumos, totalizando 870 kg, quantitativo suficiente para atender até 3 mil pessoas por um período de três meses, segundo informações do Ministério.

 

Via – FAB 

Fotos: Tenente Jonathan/CECOMSAER e Sargento Bruno Batista/CECOMSAER