Violência contra aeroviários nos aeroportos brasileiros: este foi o tema da reunião entre a direção do SNA (Sindicato Nacional dos Aeroviários) e o SNEA (Sindicato Nacional das Empresas Aéreas), que aconteceu em 18 de janeiro, em São Paulo.

Profissionais do setor foram representados pelo presidente e diretora do Sindicato Luiz Pará e Selma Balbino, além do advogado responsável pela assessoria jurídica da entidade, Álvaro Quintão.

As constantes denúncias da categoria sobre comportamento alterado dos passageiros e falta de apoio das chefias, com agravante em casos de assédio moral cometidos por supervisores e gerentes, levaram o SNA a criar a “Campanha de Conscientização sobre agressões nos aeroportos”.

Continua depois do anúncio

A convocação da reunião com empresas aéreas foi apenas uma das primeiras iniciativas para combater a prática.

 

SNA apresenta levantamento sobre casos de violência contra aeroviários

Durante a reunião, a direção do SNA apresentou meticulosa exposição sobre a gravidade da situação que envolve casos de violência no setor aéreo, respaldada pelo resultado de levantamento realizado junto à categoria.

O Sindicato fez uma pesquisa com profissionais da aviação civil entre os dias 11 e 18 de janeiro. Foram coletadas declarações sobre casos de agressões sofridas no ambiente de trabalho, tanto por parte dos passageiros, como dos empregadores.

Continua depois do anúncio

O relatório, que manteve em sigilo a identidade de todos os participantes, foi entregue aos representantes do SNEA.

 

Medidas adotadas pelas empresas

As empresas aéreas reconhecem a delicada situação vivenciada pelos funcionários e informam que a ABEAR (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) já busca soluções.

Entre elas, uma mudança na Portaria 400 da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), que aborda sobre os direitos e deveres dos passageiros e companhias do setor, desde a oferta do serviço até as obrigações posteriores à sua execução.

Continua depois do anúncio

Também há a proposta de Lei no Congresso para resguardar os profissionais da aviação em possíveis casos de violência. A PL 3111 é uma iniciativa do deputado Coronel Tadeu (PSL), que além de político, já atuou como piloto de helicóptero.

Como ambas as propostas, inicialmente, têm foco na categoria dos aeronautas, elas são revistas para que possam beneficiar também os profissionais que atuam em terra.

 

Falta de apoio das empresas em casos de violência contra aeroviários

Um dos pontos destacados pelos representantes do SNA é a falta de apoio por parte das chefias em situações de agressão dos passageiros. Dirigentes sindicais receberam denúncias de casos em que funcionários chegaram a ser impedidos de fazerem boletim de ocorrência.

Continua depois do anúncio

O assédio, com frequência, é realizado também pelos empregadores, o que faz com que muitos funcionários se sintam em meio ao fogo cruzado. No levantamento realizado por SNA, foram comuns os relatos de gritos, exposições à situações vexatórias, ameaças, cobranças desmedidas e total falta de apoio em casos de agressões do público usuário.

O SNEA acolheu as denúncias e se compromete em convocar o setor de Recursos Humanos das empresas aéreas para uma reunião, em que soluções possam ser propostas.

O SNA também sugere que agentes de check-in recebam por escrito a explicação sobre possíveis problemas técnicos ou meteorológicos que resultem em atrasos ou cancelamento de voos, para que possam prontamente esclarecer o público usuário. Além da manutenção de hospedagem e alimentação nos casos de cancelamento, já que a prática estava suspensa em função da pandemia.

Continua depois do anúncio

Dirigentes sindicais vão seguir com a Campanha de Conscientização e pedem à categoria que acompanhe todos os nossos canais de comunicação, para que se mantenha informada sobre futuras iniciativas do SNA.

 

Via: SNA