Airbus

A Airbus apresentou nesta quinta-feira (29) os resultados financeiros consolidados para o primeiro trimestre (Q1) encerrado em 31 de março de 2021.

Os pedidos brutos de aeronaves comerciais totalizaram 39 (Q1 2020: 356 aeronaves) e incluíram 38 aeronaves de corredor único.

Após os cancelamentos, os pedidos líquidos de aeronaves comerciais foram de -61 (Q1 2020: 290 aeronaves) com a carteira de pedidos compreendendo 6.998 aeronaves em 31 de março de 2021.

A Airbus Helicopters registrou 40 pedidos líquidos (Q1 2020: 54 unidades), incluindo 2 aeronaves da família Super Puma e 1 H160.

Na Airbus Defense and Space, o valor dos pedidos recebidos atingiu € 2 bilhões (Q1 2020: € 1,7 bilhão) e incluiu grandes ganhos de contratos em Sistemas Espaciais e pedidos de serviços recorrentes em Aeronaves Militares.

As receitas consolidadas ficaram amplamente estáveis em relação ao ano anterior, em € 10,5 bilhões (Q1 2020: € 10,6 bilhões).

Um total de 125 aeronaves comerciais foram entregues (Q1 2020: 122 aeronaves), compreendendo 9 A220s, 105 Família A320, 1 A330 e 10 A350s. A receita gerada pelas atividades de aeronaves comerciais da Airbus diminuiu 4%, refletindo principalmente uma redução no volume de serviços.

A Airbus Helicopters entregou 39 unidades (Q1 2020: 47 unidades) com receitas refletindo o menor volume em helicópteros civis, parcialmente compensado pelo crescimento em serviços. As receitas da Airbus Defense and Space ficaram estáveis em comparação com o ano anterior.

EBIT consolidado ajustado – uma medida de desempenho alternativa e indicador chave que registra a margem subjacente do negócio, excluindo despesas ou benefícios decorrentes de movimentos em provisões relacionadas a programas, reestruturação ou efeitos cambiais, bem como ganhos / perdas de capital resultantes da venda e aquisição de empresas – aumentou para 694 milhões de euros (1º trimestre de 2020: € 281 milhões).

O EBIT ajustado relacionado às atividades de aeronaves comerciais da Airbus aumentou para € 533 milhões (Q1 2020: € 191 milhões), refletindo principalmente o foco no custo, bem como uma combinação favorável. Também inclui o impacto positivo das taxas de cobertura de risco.

O EBIT ajustado da Airbus Helicopters aumentou para € 62 milhões (Q1 2020: € 53 milhões), impulsionado por serviços, execução de programas e menores gastos em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) após as certificações do H160 e do H145 de cinco pás em 2020.

O EBIT ajustado na Airbus Defense and Space aumentou para € 59 milhões (Q1 2020: € 15 milhões), refletindo principalmente o esforço contínuo de contenção de custos e o estágio favorável durante este trimestre. Um avião de transporte militar A400M foi entregue.

As despesas de P&D autofinanciadas consolidadas totalizaram € 620 milhões (Q1 2020: € 663 milhões).

O EBIT consolidado (declarado) totalizou € 462 milhões (Q1 2020: € 79 milhões), incluindo ajustes totalizando € -232 milhões líquidos.

“Os bons resultados do primeiro trimestre refletem principalmente nosso desempenho de entrega de aeronaves comerciais, contenção de custos e caixa, progresso com o plano de reestruturação, bem como a contribuição positiva de nossas atividades de helicóptero e defesa e espaço”, disse o CEO da Airbus, Guillaume Faury. “O primeiro trimestre mostra que a crise ainda não acabou para o nosso setor e que o mercado continua incerto. Estamos investindo em inovação e na transformação de nossa empresa para cumprir nossas ambições de longo prazo em todo o portfólio.”

Esses ajustes compreenderam:

• € -29 milhões relativos ao custo do programa A380;
• € -177 milhões relativos ao descasamento de pagamentos em dólares anteriores à entrega e à reavaliação de balanço;
• € -26 milhões de outros custos, incluindo conformidade.

O resultado financeiro foi de € 59 milhões (Q1 2020: € -477 milhões). Reflete principalmente a reavaliação de instrumentos financeiros e a evolução do dólar americano, bem como € 43 milhões da reavaliação da participação da Dassault Aviation, parcialmente reduzida pelo resultado líquido de juros de € -82 milhões.

O lucro líquido consolidado foi de € 362 milhões (prejuízo líquido no 1º trimestre de 2020: € -481 milhões), com lucro por ação consolidado relatado de € 0,46 (prejuízo no 1º trimestre de 2020 por ação: € -0,61).

O fluxo de caixa livre consolidado antes de fusões e aquisições e financiamento de clientes totalizou € 1.202 milhões (1º trimestre de 2020: € -8.030 milhões), principalmente devido a um forte impacto positivo do capital de giro e reflete os esforços contínuos de contenção de caixa. O fluxo de caixa livre consolidado foi de € 1.164 milhões (1º trimestre de 2020: € -8.501 milhões).

A posição de caixa líquido consolidada era de € 5,6 bilhões em 31 de março de 2021 (final do ano de 2020: € 4,3 bilhões) com uma posição de caixa bruto de € 22,6 bilhões (final do ano de 2020: € 21,4 bilhões). A posição de liquidez da empresa permanece forte. O prazo de vencimento da Linha Suplementar de Liquidez foi estendido em 6 meses, mantendo um alto nível de flexibilidade no ambiente incerto causado pela Covid-19.

Veja mais detalhes na tabela abaixo:

Airbus

1º trimestre de 2021

Q1 2020

Alteração

em porcentagem

Receitas , em milhões

Divisão de Defesa, em milhões

10.460

2.027

10.631

1.946

-2%

+ 4%

EBIT ajustado , em milhões

694

281

+ 147%

EBIT (relatado) , em milhões

462

79

+ 485%

Despesas com Pesquisa e Desenvolvimento , em milhões

620

663

-6%

Lucro / prejuízo líquido (2) , em milhões

362

-481

Lucro / perda por ação 

0,46

-0,61

Fluxo de caixa livre (FCF) , em milhões

1.164

-8,501

Fluxo de caixa livre antes de M&A , em milhões

1.171

-7.999

Fluxo de caixa livre antes de fusões e aquisições e financiamento de clientes , em milhões

1.202

-8.030

 

 

 

Perspectivas

A previsão emitida em fevereiro de 2021 permanece inalterada. A empresa parte do pressuposto das projeções para 2021 que não haverá mais perturbações na economia mundial, no tráfego aéreo, nas operações internas da empresa ou na sua capacidade de entrega de produtos e serviços.

As previsões da empresa para 2021 referem-se a números antes de fusões e aquisições.

Com base nisso, a Airbus tem como meta atingir em 2021, pelo menos:

• Mesmo número de entregas de aeronaves comerciais em 2020;
• EBIT ajustado de € 2 bilhões;
• Ponto de equilíbrio no fluxo de caixa livre antes de fusões e aquisições e financiamento ao cliente.