NASA SLS Foguete

Neste último sábado (16) a NASA finalmente iniciou os testes com o estágio central do foguete SLS, chamado em nome compostos de Sistema de Lançamento Espacial.

O novo foguete tem como missão ser o mais potente disponível, e adequado para missões à Lua e para Marte, além de outros satélites ou planetas. Os testes ocorreram poucos dias após a Northrop entregar a primeira cápsula Orion, que compõe o foguete SLS, seja tripulado ou com carga.

A equipe completou com sucesso a contagem regressiva e ligou os motores, mas os motores desligaram com um pouco mais de um minuto de funcionamento. As equipes estão avaliando os dados para determinar o que causou o desligamento precoce e determinarão um caminho a seguir.

O plano de teste previa que os quatro motores RS-25 do foguete disparassem por um pouco mais de oito minutos – a mesma quantidade de tempo que levará para enviar o foguete ao espaço após o lançamento.

Os quatro motores RS-25 derivam do sistema de lançamento do Space Shuttle, e são conhecidos por fazer a famosa queima criogênica, envolvendo hidrogênio e oxigênio líquido na combustão.

Sim, essa fumaça enorme branca no vídeo é puro vapor de água (H2O).

“O teste de sábado foi um passo importante para garantir que o estágio central do foguete SLS esteja pronto para a missão Artemis I e para transportar a tripulação em missões futuras”, disse o administrador da NASA Jim Bridenstine, que participou do teste. “Embora os motores não dispararam na duração prevista, a equipe trabalhou com sucesso durante a contagem regressiva, acendeu os motores e obteve dados valiosos para informar nosso caminho a seguir ”.

Enquanto na parte do motor não deu certo, a NASA conseguiu provar com sucesso os sistemas externos, como o sistema de resfriamento por água, onde bombearam 330 mil galões por minuto, para proteger o defletor de chamar da bancada de testes, um modelo semelhante ao que será utilizado nos lançamentos reais.

O defletor de chamar é uma importante parte estrutural, visto que permite manter uma boa dissipação dos gases dos motores, sem o retorno do mesmo para a estrutura do foguete.

“Ver todos os quatro motores acenderem pela primeira vez durante o ‘teste de fogo quente’ do estágio central foi um grande marco para a equipe do Sistema de Lançamento Espacial”, disse John Honeycutt, gerente do programa SLS do Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, Alabama. “Vamos analisar os dados e o que aprendemos com o teste de hoje nos ajudará a planejar o caminho certo para verificar se este novo estágio central está pronto para voar na missão Artemis I.”

De acordo com a NASA, esse nível de potência individual por motor em um teste não era gerada desde os tempos do Saturn V, na década de 1960.

Além de analisar os dados, as equipes também inspecionarão o estágio central e seus quatro motores RS-25 antes de determinar as próximas etapas.

Sob o programa Artemis, a NASA está trabalhando para pousar a primeira mulher e o próximo homem na Lua em 2024.

O SLS e a espaçonave Orion que transportará astronautas para o espaço, junto com o sistema de pouso humano e o Portal em órbita ao redor da Lua, são a espinha dorsal da NASA para a exploração do espaço profundo.

A NASA mantém o projeto próprio, construído em parceria com empresas do setor aeroespacial, mesmo com a possibilidade de utilizar foguetes privados, como os da ULA e da SpaceX.

DEIXE UMA RESPOSTA