• Instagram
  • Feed
  • Telegram
  • Youtube

Bimotor com 400 kg de cocaína é interceptado pela FAB

Interceptação de aeronaves leves é realizada pelos turboélices A-29 Super Tucano. Foto: FAB.
Interceptação de aeronaves leves é realizada pelos turboélices A-29 Super Tucano. Foto: FAB.

Um bimotor Piper Sêneca foi interceptado por aeronaves A-29 Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB) na tarde de quarta-feira (01) no interior de Mato Grosso. O avião, que estava sem plano de voo, carregava 400 kg de cocaína. 

A operação conjunta reuniu meios da própria FAB, Polícia Federal, PMMT, Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPAer) e do Grupo Especial de Fronteira (GEFRON). 

Após interceptação, bimotor pousou em pista no interior de Mato Grosso, com 400 quilos de cocaína. Foto: PF/Divulgação.

Após interceptação, bimotor pousou em pista no interior de Mato Grosso, com 400 quilos de cocaína. Foto: PF/Divulgação.

Ao detectar a entrada do avião não identificado em espaço aéreo brasileiro, a FAB designou um avião-radar E-99 e caças A-29 para monitorar e interceptar o alvo. Os E-99, operados pelo esquadrão Guardião da Base Aérea de Anápolis, fornecem detecção e acompanhamento de múltiplos alvos à longas distâncias. 

De acordo com a FAB, o emprego desta tecnologia é indispensável em um cenário de operações aéreas, em face da flexibilidade de posicionamento da aeronave juntamente com a capacidade de detecção de tráfegos à baixa altura, permitindo realizar a cobertura radar das áreas de interesse do Comando da Aeronáutica (COMAER), além do controle das aeronaves, independentemente da estrutura de Comando e Controle existente no solo.

Embraer E-99M, avião-radar da FAB, operado pelo Esquadrão Guardião.

O avião-radar E-99, em sua versão modernizada. Aeronave é fundamental na vigilância do espaço aéreo brasileiro. Foto: Gabriel Centeno – Aeroflap.

Após a interceptação, o piloto da aeronave ilícita pousou em uma pista não homologada no interior do estado e fugiu. As Forças de Segurança em solo fizeram a abordagem  e apreenderam o carregamento de drogas.

Segundo a Polícia Federal, a atividade faz parte do esforço conjunto e integrado das forças de segurança envolvidas para a repressão a voos ilícitos em pequenas aeronaves carregadas com drogas. As investigações e investidas contra o tráfico de drogas continuam, com especial atenção à prisão das lideranças e descapitalização das organizações Criminosas.

A-29 Super Tucano FAB

Metralhadora FN M3P calibre .50 BMG do A-29 Super Tucano. Foto: Cabo V. Santos/FAB/Divulgação.

Esta é a segunda aeronave do narcotráfico interceptada pela Aeronáutica em menos de um mês. Na última ocasião, o avião carregado de drogas fez um pouso forçado em uma lavoura no interior de São Paulo. 

 

Quer receber nossas notícias em primeira mão? Clique Aqui e faça parte do nosso Grupo no Whatsapp ou Telegram.

 


Estudante de Jornalismo na UFRGS, spotter e entusiasta de aviação militar.