Foto - Air Canada/Reprodução

Investigadores de Hong Kong estão apurando um incidente com uma aeronave da Air Canada que ocorreu no dia 11 de dezembro de 2018, e só agora foi divulgado.

Um Boeing 777-300ER, com 386 passageiros e 17 tripulantes, sofreu um Tail Strike durante um procedimento de pouso na pista do Aeroporto de Hong Kong, na data informada acima. O voo estava sendo realizado de Toronto (Canadá) para Hong Kong.

De acordo com o apurado pelos investigadores, o pouso foi conduzido pelo primeiro oficial (co-piloto) que estava realizando seu primeiro pouso em um Boeing 777, fora os treinamentos no simulador.

A tripulação também solicitou uma checagem na pista logo após o pouso, reportando que tinha encontrado turbulência no pouso, o METAR do horário indicava vento de través com velocidade de 12 kt (~22 km/h).

As investigações preliminares apontaram que o co-pilotos realizou comandos bruscos na aeronave quando estava perto de pouso, desnecessariamente, na opinião dos investigadores. Eles também apuraram que perto do momento do toque a aeronave estava inclinada para a direita, enquanto tentava alinhar com a pista.

O trem de pouso principal do lado direito foi o primeiro que entrou em contato com a pista. Devido à alta taxa de descida e velocidade vertical, a parte traseira inferior da fuselagem entrou em contato com o solo.

Foto – Alex Wong

Em uma inspeção pós-voo uma marca de contato com a pista foi descoberta. A aeronave ficou mais de 48 horas em solo, levando também ao cancelamento do voo Hong Kong – Toronto.

Nenhum dos passageiros ficaram feridos durante o pouso. O relatório preliminar emitido pela Hong Kong’s Air Accident Investigation Authority (AAIA) só apontou os pontos do incidente, uma conclusão ainda não foi lançada.

 

Via – The Aviation Herald