Foto - Jason Redmond / AFP

A Boeing realizou hoje (25/01) com sucesso o primeiro voo do 777-9X, a mais nova aeronave da família de aviões widebody da fabricante.

A aeronave decolou aproximadamente às 10h09 (hora local) em Everett (WA), onde se localiza um centro de produção da Boeing. O voo durou aproximadamente 04h00, onde a aeronave voou sempre abaixo de 17000 pés, uma restrição de altitude devido aos trens de pouso estendidos e aos testes ainda não realizados com o avião.

Boeing 777-9X e funcionários da Boeing ao lado do avião.

Durante o voo a aeronave de testes realizou algumas manobras básicas, para referência dos pilotos, e executou alguns testes extras de segurança, para averiguar os sistemas do avião, sempre acima do estado de Washington.

A aeronave vai agora prosseguir, juntamente com outros três protótipos, na realização dos voos de testes. A Boeing planeja certificar o 777X em 2020, porém as entregas só começam em 2021.

A principal concorrente da Boeing, a Airbus, parabenizou a fabricante pelo primeiro voo do 777X. Veja na foto acima.

“O 777X voou perfeitamente e os testes de hoje foram muito produtivos”, disse o Comandante Van Chaney, piloto-chefe do 777 / 777X, de Testes e Avaliação da Boeing. “Agradeço a toda equipe que tornou o voo de hoje possível. Estamos ansiosos para as próximas etapas.”

O Comandante Chaney e o piloto-chefe da Boeing, Craig Bomben, nos controles, trabalharam com um plano de teste detalhado para executar os sistemas e estruturas do avião enquanto a equipe de teste em Seattle monitorava os dados em tempo real.


“Nossa equipe da Boeing pegou o jato de corredor duplo mais bem-sucedido de todos os tempos e o tornou ainda mais eficiente, mais capaz e mais confortável para todos”, disse Stan Deal, presidente e CEO da Boeing Aviação Comercial. “Este primeiro e seguro voo do 777X é uma homenagem aos anos de trabalho duro e dedicação de nossos colegas de equipe, fornecedores e parceiros da comunidade no estado de Washington e em todo o mundo”.

O Boeing 777X conta com duas opções de aeronaves, a 777-8X é capaz de receber 350 assentos em configuração padrão de duas classes, seu alcance é de até 15000 km. Já o 777-9X, a maior variante da família T7 até hoje, será capaz de receber 450 passageiros em uma configuração de duas classes, com autonomia para 13200 km de voo.

O Boeing 777-9X que fez esse primeiro voo tem 76,7 metros de comprimento.

Com quase 6 metros de largura internamente, o novo 777X será capaz de receber uma configuração com até 11 assentos por fileira na Classe Econômica, geralmente na distribuição 3-5-3.

Até esta data, o 777X acumulou mais de 340 pedidos fixos e compromissos de seis clientes no mundo inteiro.

O primeiro dos quatro aviões exclusivos de teste de voo 777-9, o WH001, agora será submetido a inspeções antes de retomar os testes nos próximos dias. A frota de testes, que iniciou testes em solo em Everett no ano passado, passará ainda por mais uma série abrangente de testes, além de condições no solo e no ar nos próximos meses para demonstrar a segurança e a confiabilidade do projeto.

 

Confira abaixo os procedimentos de decolagem e pouso:

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Aeroflap (@aeroflap) em

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Aeroflap (@aeroflap) em

 

Pontas das asas dobráveis

O Boeing 777X consegue diminuir sua envergadura de cerca de 71 para 65 metros, rebatendo as pontas das asas direita e esquerda. Assim a aeronave consegue ter uma grande envergadura e operar nas mesmas espaços que o 777 Classic.

Como funciona a asa dobrável?

Neste avião a função da asa dobrável é reduzir a envergadura em solo, permitindo que o novo 777X estacione em qualquer posição já utilizada pelo 777 Classic, ao mesmo tempo a ponta permite uma maior envergadura, que ajuda no aumento da sustentação nos momentos críticos do voo, como na decolagem e no pouso.

Além disso, o novo 777X exigirá menos impulso do que o -300ER porque terá uma asa mais eficiente. E essa asa é bastante longa, com as pontas estendidas a envergadura do 777X chegará a 71,8 metros, quando as pontas são dobradas temos como resultado a envergadura máxima de 64,7 metros.

Essa tecnologia envolve duas limitações quando falamos de operações nos aeroportos. A aeronave precisa de uma pista de Categoria F para operar, ou alguma compatível que já opere com o Boeing 747-8, como no Aeroporto de Brasília, que não recebe o A380 em voos regulares mas consegue operar com o 747-8.

Vale lembrar que a categoria F engloba aviões como o Airbus A380 e o Boeing 747-8, ou qualquer aeronave com mais de 65 metros de envergadura.

Outra limitação é logo após entrar nas vias de taxiamento do aeroporto, onde a aeronave deve se adequar à envergadura da categoria E, ou seja, a mesma utilizada pelo atual Boeing 777-300ER.

Então imagine a situação, o avião pousa em um aeroporto e ao adentrar a taxiway ele deve acionar o sistema que dobra as pontas da asa, pois a taxiway do local não permite a operação de aviões com mais de 65 metros de envergadura. A aeronave desta forma segue até o portão com as asas dobradas e alinha na sua posição de parada na mesma condição.

Ao sair para a decolagem, o avião teria que estender a sua asa quando já está quase alinhando na pista, na linha que delimita

Logicamente esses procedimentos exigem uma mudança na forma de fazer o checklist de sistemas em solo e antes da decolagem, você não pode acionar esse sistema em solo, e muito menos decolar com as pontas retraídas.

Temos um padrão de quando em solo o 777X vai sempre usar o recurso de dobrar a asa, a envergadura estendida serve apenas para o período de voo, fornecendo maior sustentação.

 

Acionamento e avisos

Funcionamento do sistema de trava de uma ponta.

Acionamento do sistema de dobra das pontas é feito através de autuadores hidráulicos, já a trava da ponta é com um sistema elétrico com dois padrões, um para o voo, com a ponta estendida e outro para em solo, com a ponta dobrada em 90º aproximadamente.

Logicamente a Boeing criou vários sistemas de alerta para evitar que o piloto decole com a ponta dobrada.

Via – The Air Current

Além dos checklist já citados, a própria tela (EICAS) informa visualmente como a asa está no momento, e com anotações “extended” quando as pontas estão estendidas.

Além disso o interruptor localizado no overhead é por “giro”, com maior tato para os pilotos. Como é possível ver na imagem acima, a posição dos comandos é bem intuitiva.

Além disso um sistema de câmeras externas pode ser acionado para verificar o real estado do sistema antes da decolagem ou pouso, evitando problemas operacionais.

Botão para ativar sistema automático de dobra das pontas.

Um sistema automático também permite a retração automática das pontas após o toque do trem de pouso em solo, durante o pouso. A dobra das pontas é realizada quando o avião está com velocidade abaixo de 92 km/h.

Para completar essa questão, os pilotos da Boeing testaram a operação do 777X em simulador, em mais de 400 aeroportos com a capacidade de receber o Boeing 777-300ER. Todos os problemas foram mitigados durante esses testes, inclusive sobre sistemas relacionados ao aviso, e também de problemas durante o voo com as travas do sistema.

 

Os novos motores GE9X

O novo motor do 777X, o GE9X da GE Aviation, é enorme pesando 16.300 kg (36.000 lb) e com 3,4 metros de diâmetro. De fato, é tão grande que a fuselagem do Boeing 737 realmente se encaixa dentro do motor.

O GE9X deverá ser capaz de oferecer um empuxo de 105 mil libras, esse valor é um pouco abaixo quando comparado com o GE90-115B, que dispõe de 115 mil lb de empuxo. Porém o novo motor da GE pode ser até 15% mais eficiente quando comparado ao irmão mais velho. 

O grande destaque do GE9X é ser um dos maiores motores turbofan do mercado, com um fan frontal de 134 polegadas e 16 estágios de pás na parte quente, que dá uma bypass de 27:1 para o motor, o maior do mercado.

Entre as características do novo motor está o fan frontal, feito com uma nova geração de materiais compostos, uma nova câmara de combustão TAPS III, melhor do que a usada nos motores GEnx, e materiais CMC na turbina e na área de combustão.

O motor GE9X ganhou em 2019 um título do GUINNESS WORLD RECORDS, como o motor a reação com maior impulso para aviões comerciais, com uma potência de 134300 libras. O recorde anterior era do GE90, com 128 mil libras.

 

Número de assentos (2 classes): 777-8: 384 passageiros

                                                     777-9: 426 passageiros

Motor:                              Dois GE9X, fornecido pela GE Aviation

Alcance (com carga total): 777-8: 8.730 milhas náuticas (16.170 km)

                                           777-9: 7.285 milhas náuticas (13.500 km)

Envergadura:                   Estendida: 71,8 m (235 pés, 5 pol.)

                                         Em terra: 64,8 m (212 pés, 8 pol)

Comprimento:                  777-8: 69,8 m (229 pés)

                                         777-9: 76,7 m (251 pés)

 

DEIXE UMA RESPOSTA