Boeing corta produção e demite até 15% da força de trabalho

Foto - Boeing

A Boeing declarou hoje (29), durante a apresentação de resultados financeiros do 1T20, que precisará reduzir a sua produção de aeronaves, e consequentemente o número de funcionários.

A produção de aeronaves será reduzida em cerca de 15% em 2021. O programa mais afetado é do 737 MAX, que terá a produção reduzida de 42 aviões por mês para 31. Anteriormente a Boeing já fabricou até 53 aviões 737 MAX em um mês.

A empresa também reduzirá a produção do 787 para 10 aeronaves por mês neste ano, abaixo das 14 atualmente, caindo para sete aeronaves mensalmente até 2022.

Além disso, a Boeing reduzirá a produção mensal combinada do 777/777X para três aeronaves mensais em 2021. Atualmente, a Boeing constrói cinco aviões 777 por mês e espera começar a entregar o 777X em 2021.

A produção do 767 ou 747, atualmente nas taxas respectivas de 2,5 e 0,5 por mês, não foram reajustadas.

Como consequência, a Boeing está reduzindo sua força de trabalho de aeronaves comerciais em mais de 10%, para preservar seu caixa e diminuir os custos.

“Começamos a tomar medidas para reduzir nosso número de funcionários em aproximadamente 10% por meio de uma combinação de demissões voluntárias, rotatividade natural e demissões involuntárias, conforme necessário”, disse Calhoun em um e-mail visto pela Reuters.


“A Boeing precisará fazer reduções ainda mais profundas nas áreas mais expostas às condições de nossos clientes comerciais – mais de 15% em nossos negócios de serviços e aviões comerciais, bem como em nossas funções corporativas”, concluiu Calhoun.

Atualmente a Boeing tem cerca de 160 mil funcionários, quando consideramos todas as unidades da empresa no mundo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA