Boeing e Marinha dos EUA fazem teste de ‘drone’ com equipamento de reabastecer aeronaves

A Boeing e a Marinha dos Estados Unidos voaram pela primeira vez com MQ-25 T1 utilizando equipamentos de reabastecimento aéreo, chamados abreviadamente de ARS.

O avião será utilizado no futuro como um reabastecedor aéreo não tripulado, capaz de fazer voos de média distância e reabastecimentos ar-ar de caças.

O voo teve uma duração total de 2,5 horas, onde o ARS foi utilizado para testes aerodinâmicos e a verificação do comportamento do equipamento montado na asa. Este é o mesmo utilizado para reabastecer caças F/A-18 da Marinha dos Estados Unidos.

O voo foi conduzido por pilotos de teste da Boeing operando em uma estação de controle de solo, localizada no Aeroporto MidAmerica St. Louis, em Mascoutah, Illinois.

“Ter um ativo de teste voando com um ARS nos deixa um grande passo em nossa avaliação de como o MQ-25 cumprirá sua missão principal na frota, de reabastecimento aéreo”, disse o capitão Chad Reed, gerente do programa de aviação não tripulada da Marinha dos EUA . “O T1 continuará a render valiosos insights iniciais conforme começamos a voar com os F/A-18 e conduzir testes de manuseio em um convés a bordo de um porta-aviões.”

Os voos futuros continuarão a testar a aerodinâmica da aeronave e do ARS em vários pontos do envelope de voo, eventualmente progredindo para extensão e retração da mangueira e demais partes utilizadas ​​no reabastecimento.

O ativo de teste T1 de propriedade da Boeing é um predecessor do modelo de desenvolvimento de engenharia que está sendo produzido sob um contrato de 2018.


O T1 está sendo usado para aprendizado e descoberta iniciais, estabelecendo a base para avançar rapidamente para o desenvolvimento e teste do MQ-25, o avião final. Após seu primeiro voo no ano passado, o T1 acumulava aproximadamente 30 horas no ar antes da modificação planejada para instalar o ARS.

“Ver o T1 voar com o hardware e software que torna o MQ-25 um reabastecedor aéreo no início do programa é um lembrete visível da capacidade que estamos trazendo para os porta-aviões”, disse Dave Bujold, diretor do programa MQ-25 da Boeing. “Estamos garantindo que o ARS e o software que o opera estarão prontos para ajudar o MQ-25 a estender o alcance de outras aeronaves.”

A Marinha pretende adquirir mais de 70 aeronaves MQ-25, que assumirão a função de tanques hoje desempenhada pelos F/A-18, permitindo um melhor aproveitamento dos caças de combate.

Veja um pouco dos testes com o ARS no vídeo abaixo:

DEIXE UMA RESPOSTA