A Boeing paralisou as entregas do 737 MAX, depois de todos os países paralisarem a operação de voos comerciais com aeronaves desta família.

Apesar das entregas suspensas, a Boeing disse que vai continuar fabricando os aviões, e estocando as aeronaves que forem produzidas. A produção também deverá sofrer uma expansão em junho.

Essa paralisação deve demandar uma grande quantidade de fluxo de caixa da empresa, que pode ver 1,8 bilhão a 2,5 bilhões de dólares gastos por mês para manter a produção do 737 MAX. Essa receita deverá ser obtida após quando normalizar as entregas.

Se o avião permanecer por meses em solo, não há um plano para estocar tantas aeronaves, atualmente a Boeing pode produzir até 52 aviões da família 737 MAX e NG por mês.

O foco da Boeing é evitar problemas industriais e na cadeia de suprimentos, algo difícil de ser solucionado em poucos meses.