Foto - Nick Morrish/British Airways

A companhia aérea British Airways, que faz parte do International Airlines Group (IAG), cancelou 1700 voos que partem dos aeroportos de Heathrow e Gatwick em Londres na segunda e terça-feira (09/09 e 10/09), antes da ação dos membros da British Airline Pilots Association (BALPA) na primeira greve de pilotos da BA.

A BA enfrenta intensa concorrência nas rotas de curta distância da easyJet, Ryanair e outras companhias aéreas de baixo custo, e enfrentou vários problemas operacionais nos últimos anos.

“Isso castigará os clientes, castigará nossa marca, castigará o resto dos colegas”, disse o CEO da BA, Alex Cruz, à BBC TV, enquanto as ações da IAG caíam até 3% no início do pregão.

A BA ofereceu a seus pilotos um aumento salarial de 11,5% para os próximos três anos, o que, segundo ela, elevaria o pagamento de seus comandantes, hoje com maior salário de 167.000 libras por ano (US$ 205.000), e mais 16.000 libras em subsídios, para pouco mais de 200.000 libras.

A BALPA quer que o acordo salarial inclua participação nos lucros dos pilotos da BA, que em média ganham cerca de 90.000 libras por ano.

“A British Airways está passando por bons momentos, queremos compartilhar esses lucros, assim como compartilhamos a dor nos maus momentos”, disse o secretário-geral da BALPA, Brian Strutton, à televisão da BBC.

A BALPA acrescentou que não estão planejadas novas negociações com a companhia aérea.

O sindicato disse que seria mais barato para a BA atender às suas demandas do que enfrentar as greves, já que a greve resulta em um prejuízo de 40 milhões de libras por dia. Os analistas tinham estimativas semelhantes, mas a BA se recusou a comentar o custo incorrido.

A companhia aérea descartou uma nova proposta da BALPA na semana passada como uma “proposta inflada para a décima primeira hora” que não foi feita de boa fé. A BALPA disse que teria cancelado as greves nesta semana, se a BA tivesse se envolvido com a oferta.

Cruz disse que a oferta de 11,5% estava “muito acima” da inflação, que era de 2,1% em julho, e já reconhecia que a BA estava lucrando.

“O compromisso de todos na British Airways é superar essa disputa em particular o mais rápido possível e pedimos que o sindicato se sente conosco o mais rápido possível para que possamos chegar a um acordo”, disse Cruz à rádio BBC.

Ele disse que era uma disputa da BA e seria resolvida pela companhia aérea e não pela IAG.

 

Via – Reuters