A British Airways receberá seu primeiro Boeing 787-10 nesta semana. Em tempos difíceis para a aviação global, executivos da companhia, assistentes de relações públicas e mídia foram convidados para ir a bordo do Boeing 787-10 até Londres, no voo de entrega.

A aeronave tem previsão de entrega para o dia 21 de maio, com chegada a Londres por volta das 08h00 da manhã (horário local). Algumas semanas depois, este primeiro dos 12 Boeing 787-10 levará passageiros pagantes no voo comercial inaugural para Atlanta, um retorno às suas raízes nos EUA.

A IAG Group, controladora da British Airways, não espera uma retomada de demanda nem de lucros por um curto tempo, o executivo do grupo disse que a empresa espera um avanço de alguns anos até tudo se normalizar.

“Alguns de nós trabalhamos na aviação durante a crise financeira global, o surto de Sars e o 11 de setembro”, disse o CEO da British Airways,  Alex Cruz, à equipe na mensagem intitulada The Survival of British Airways.

” O que está acontecendo agora como resultado do Covid-19 é mais sério do que qualquer um desses eventos. É uma crise de proporções globais como nenhuma outra que conhecemos”.

A companhia aérea reduzirá sua força de trabalho em quase 30%, reduzindo até 12000 empregos em uma dolorosa reestruturação destinada a encolher o grupo de companhias aéreas enquanto se prepara para uma desaceleração prolongada.

Pelo lado da frota, a empresa realizou mudanças nas entregas e pagamento de algumas aeronaves em leasing. A empresa postergou algumas entregas para manter o equilíbrio com a demanda atual e a futura, pois nesse momento a preocupação é a queima de caixa diário que a empresa faz.


“Como várias aeronaves já são financiadas do ponto de vista de caixa, faz sentido pegarmos a aeronave porque teremos pago pré-entrega; portanto, quando pegamos a aeronave e depois colocamos o financiamento no lugar, é na verdade um benefício em dinheiro para nós”, observou Willie Walsh, executivo-chefe da IAG no mês passado no briefing de resultados da companhia aérea no primeiro trimestre.

Em suas quatro companhias aéreas – British Airways, Aer Lingus, Iberia e  Vueling – a IAG Group ainda planeja receber nove aeronaves de longo alcance em 2021, número que provavelmente incluirá pelo menos alguns dos primeiros seis Boeing 787-10 inicialmente previstos para 2020, junto com alguns Airbus A350XWB.

No entanto, o IAG quase reduzirá pela metade seu cronograma de entregas de novos aviões para 2021, de 17 para nove – um número que deve incluir os primeiros jatos Boeing 777-9 da British Airways.

”Acho que, quando olhamos para o nosso plano de frota, vimos uma mudança muito significativa no que era o plano quando o anunciamos em novembro do ano passado para o que será para 2021 e 2022, e você precisa levar em consideração a flexibilidade temos com a frota existente e aeronaves arrendadas”, disse Walsh.

Com a chegada do 787-10, adiada em relação à entrega de janeiro anterior, a British Airways se tornará uma das poucas companhias aéreas do mundo a voar nos três modelos do Dreamliner, a empresa já possui uma dúzia dos 787-8, mais 16 do 787-9 de maior capacidade e alcance.

 

DEIXE UMA RESPOSTA