Capitã Emily, primeira mulher piloto comercial dos EUA, morre aos 80 anos no Colorado

Emily Howell Warner subiu aos céus quando ainda era adolescente e passou milhares de horas no ar nos anos seguintes, subindo para se tornar a primeira mulher piloto de uma companhia aérea de passageiros dos EUA.

Warner, conhecida popularmente como “Capitã Emily” ou “Primeira Dama da Companhia Aérea”, morreu em 03 de julho no Colorado, um estado dos EUA. Segundo a revista Plane & Pilot, ela tinha 80 anos. Ela mudou-se para Denver durante sua aposentadoria.

A Frontier Airlines, que a contratou em 1973, twittou na terça-feira que “era uma honra ter Emily iniciado sua carreira com a Frontier Airlines. Descanse em paz, capitão Emily Warner!”

A carreira de Warner foi iniciada cedo. Aos 17 anos, em sua primeira viagem de avião em seu treinamento para se tornar uma aeromoça, o co-piloto notou seu fascínio por voar.

“Ele disse: ‘Por que você não faz algumas aulas de voo?’ .” Warner disse ao Denver7 em março de 2018. “E eu disse: ‘Uma garota pode fazer aulas de voo?’ E ele diz: ‘Com certeza você pode.”

Depois de obter a aprovação de seus pais, ela pagava US  13 por semana, usando seu salário de US$ 38 por semana para aulas de voo, eventualmente obtendo sua licença de piloto particular dentro de um ano. Ela trabalhou no tráfego aéreo, antes de assumir um posto como instrutora de voo certificada na Clinton Aviation Company, em Denver, de acordo com o Smithsonian National Air and Space Museum .

“Os caras que eu ensinava iriam para as companhias aéreas”  disse ela na entrevista de 201 . “E pensei: ‘Gostaria de poder fazer isso.’ E então meu ‘desejo de poder fazer isso’ se tornou ‘Bem, por que não posso fazer isso?’.”
 

Em 1968, Warner se candidatou para se tornar piloto e, embora ela frequentemente renovasse sua inscrição, havia pouco progresso e estava sentindo a exaustão depois de ver seus ex-alunos, que eram todos homens, serem contratados.


Mas as coisas mudaram para melhor em janeiro de 1973, quando o vice-presidente da Frontier Airlines concordou em se encontrar com ela, segundo o Museu Nacional do Ar e Espaço Smithsonian. Ela conseguiu o emprego e em seguida, sua carreira decolou.

De acordo com o Hall da Fama Nacional das Mulheres, ao qual a Warner teve a honra de se juntar em 2001, ela fez história na aviação quase toda vez que voou. Ela foi a primeira mulher piloto permanente contratada por uma companhia aérea comercial dos EUA, a primeira comandante e, em 1986 a líder da primeira tripulação feminina de voo nos EUA.

Embora seu nome seja homenageado no Grand County Airport com Emily Warner Field Field, na entrevista de 2018, ela disse que tudo o que importava era que outras mulheres poderiam seguir seus passos e perseguir seus sonhos no céu.

“Depois que fui contratada por uma companhia aérea, outra companhia aérea contratou uma mulher e, em breve, outras companhias aéreas estavam contratando mulheres. Há muitas mulheres pilotos agora. Estamos assumindo o comando”, disse ela com um sorriso.

Ela se tornou mentora pessoal e modelo para muitos, ganhando quase todos os prêmios de aviação disponíveis na época, de acordo com o Hall da Fama da Mulher do Colorado. Isso incluiu o Prêmio Amelia Earhart como a melhor mulher na aviação dos EUA.
 

Em 1983, ela foi incluída no Hall da Fama do Clube Colorado Aviation e foi uma participante de 2001 no National Women’s Hall of Fame em Nova York, de acordo com o Colorado Women’s Hall of Fame. Seu uniforme está no Museu Aéreo e Espacial da Smithsonian Institution.

 

Fonte: The Denver Channel

DEIXE UMA RESPOSTA