Air China Cargo
Foto: Munich Airport/Divulgação

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) divulgou os resultados dos mercados globais de transporte aéreo de carga de maio de 2022.

Segundo o relatório, a flexibilização das restrições relacionadas à variante Ômicron na China ajudou a aliviar os problemas da cadeia de suprimentos e melhorar o desempenho em maio.

  • A demanda global, medida em toneladas-quilômetro de carga (CTKs*), ficou 8,3% abaixo dos níveis de maio de 2021 (-8,1% para operações internacionais). Este resultado representou uma melhoria em relação à queda de 9,1% registrada em abril.
  • A capacidade ficou 2,7% acima daquela registrada em maio de 2021 (+5,7% para operações internacionais). Esse resultado foi melhor que a queda anual de 0,7% registrada em abril. A capacidade aumentou em todas as regiões, com a Ásia-Pacífico apresentando o maior índice de aumento.
  • Diversos fatores causaram impacto no desempenho da carga aérea em maio:

– A atividade comercial aumentou ligeiramente em maio com o relaxamento das restrições relacionadas à variante Ômicron na China. As regiões emergentes também contribuíram para o crescimento, apresentando aumento nos volumes.

– Os novos pedidos de exportação, um indicador importante da demanda de carga e do comércio mundial, diminuíram em todos os mercados, exceto na China.

– A guerra na Ucrânia continua afetando a capacidade de transporte de carga que serve a Europa, pois várias companhias aéreas importantes para o transporte de carga são da Rússia e Ucrânia.

“O mês de maio trouxe notícias positivas para a carga aérea, principalmente por causa da flexibilização de algumas restrições relacionadas à variante Ômicron na China. Com ajuste sazonal, observamos crescimento (0,3%) após dois meses de queda. O retorno da produção asiática com o relaxamento das medidas da COVID-19, principalmente na China, apoiará a demanda por carga aérea. A forte recuperação do tráfego de passageiros também aumentou a capacidade de transporte de carga no porão das aeronaves de passageiros, com exceção de alguns mercados onde a crise de capacidade é mais crítica. Porém, a incerteza na situação econômica geral terá que ser observada com muita atenção”, disse Willie Walsh, diretor geral da IATA.

 

Desempenho por região em maio de 2022

As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico relataram queda de 6,6% em maio de 2022 em comparação com o mesmo mês de 2021. Esse índice foi uma melhoria significativa em relação à queda de 15,8% registrada em abril. As companhias aéreas da região sofreram forte impacto da redução da atividade comercial e industrial devido às restrições relacionadas à variante Ômicron na China, mas isso começou a diminuir em maio, quando as restrições foram flexibilizadas. A capacidade disponível na região caiu 7,4% em relação a maio de 2021.

As transportadoras da América do Norte registraram queda de 5,7% nos volumes de carga em maio de 2022 em comparação com maio de 2021. A demanda no mercado Ásia-América do Norte permaneceu moderada, mas outras rotas importantes, como Europa-América do Norte, continuam fortes. A capacidade aumentou 6,8% em relação a maio de 2021. Várias transportadoras da região devem receber novos cargueiros este ano, o que deve ajudar a atender à demanda reprimida em certas rotas, isso se as adversidades econômicas não persistirem.

As transportadoras da Europa relataram queda de 14,6% nos volumes de carga aérea em maio de 2022 em comparação com o mesmo mês de 2021. Esse foi o pior desempenho entre todas as regiões, que está relacionado à guerra na Ucrânia. A escassez de mão de obra e a menor atividade da manufatura na Ásia devido à variante Ômicron também afetaram os volumes. A capacidade aumentou 3,3% em maio de 2022 em comparação a maio de 2021.

As transportadoras do Oriente Médio registraram queda 11,6% nos volumes de carga aérea em maio de 2022 versus maio de 2021. Os benefícios significativos do redirecionamento do tráfego para não sobrevoar a Rússia não se materializaram. Isso provavelmente se deve aos problemas persistentes na cadeia de suprimentos na Ásia. A capacidade aumentou 7,6% em relação a maio de 2021.

As transportadoras da América Latina relataram aumento de 13,8% nos volumes de carga aérea em maio de 2022 em relação ao mesmo mês de 2021. Este foi o melhor resultado entre todas as regiões. As companhias aéreas da região mostraram otimismo e introduziram novos serviços e capacidade e, em alguns casos, investiram em aeronaves adicionais para carga aérea nos próximos meses. A capacidade em maio aumentou 33,3% em relação ao mesmo mês de 2021.

As companhias aéreas da África registraram queda de 1,5% nos volumes de carga aérea em maio de 2022 versus maio de 2021. Esse resultado foi significativamente menor que o crescimento registrado no mês anterior (6,3%). A capacidade ficou 3,0% acima do nível registrado em maio de 2021.