Foto - CFM

A CFM Internacional declarou neste último domingo (27/10) que já retomou a produção normal dos motores CFM Leap, e superou os gargalos de produção que ocorreram em 2018 e 2019.

A empresa ressaltou que a redução na produção do 737 MAX, devido às restrições na produção pelo problema da aeronave com o sistema MCAS e o software de voo, anteciparam a normalidade da produção.

“Conseguimos recuperar o atraso”, diz Meheust no início do Fórum de Líderes de Linhas Aéreas da ALTA em Brasília. “Estamos de volta ao cronograma.”

A CFM também ressaltou que em nenhum momento, com a redução de produção do 737 MAX, a empresa foi afetada financeiramente pela redução na fabricação do motor Leap-1B, visto que houve um maior interesse das companhias por aviões 737 NG usados, aumentando a demanda por motores CFM 56.

A CFM espera entregar 1800 unidades de motores da família Leap em 2019, e cerca de 2000 em 2020, que será sua taxa de pico de produção.

De acordo com a CFM, os problemas enfrentados foram na taxa de produção de componentes na parte de fundição e forjamento, ao contrário da Pratt & Whitney que encarou problemas com motores de nova geração.

A CFM optou por manter apenas dois fornecedores, como forma de manter a qualidade de produção, ao invés de aumentar os fornecedores e correr o risco de perder o controle das peças críticas do motores.

 

CFM trata motores de 737 MAX parados

A CFM declarou que realizou um trabalho de “preservação” dos motores Leap-1B, do 737 MAX, fora de operação.

Esse trabalho garante que os motores não sofram efeitos negativos do armazenamento prolongado e estejam prontos para voar quando os reguladores assinarem os documentos de certificação, afirma Meheust.

A Boeing disse que ainda espera que o 737 MAX esteja voando até o final do ano. A empresa planeja trazer a produção de volta aos níveis de antes da paralisação, e atingir uma taxa mensal de 57 aeronaves até o final de 2020.

“Nós da CFM continuamos acreditando que o MAX voará em breve”, disse ele. “Temos uma força-tarefa e uma equipe dedicada para apoiar o retorno ao serviço”.

DEIXE UMA RESPOSTA