A Cruzex 2018 começou! Desde o dia 18 com a foto oficial que marcou o início do exercício as movimentações na ALA 10 e sobre o céu potiguar foram bem intensas.

O Exercício Cruzeiro do Sul é organizado pela a FAB e é realizado desde 2002. A última edição da Cruzex foi há cinco anos, em 2013, também em Natal-RN. A Cruzex 2018 marca o retorno desde exercício que engloba 13 nações e mais de 100 aeronaves.

A Aeroflap deslocou uma equipe de jornalistas e fotógrafos para cobrir o exercício do dia 18 a 23 de novembro. Essa operação é a mais importante organizada pela FAB. Confiram a seguir como foram os dias de cobertura da Aeroflap na Cruzex 2018.

O Exercício acontecerá até o dia 30 de novembro e conta com a participação de 12 nações, sendo sete participando com aeronaves e pessoal e cinco como observadores.

 

Dia 19/11

Coletiva de imprensa com a presença do Diretor do Exercício Brigadeiro Medeiros e representantes dos países com aeronaves e militares que participam da Cruzex

No segundo dia de operações foi dedicado a voos de familiarização e o primeiro atendimento a imprensa, que poderá cobrir todos os dias das operações.

A partir das 9h30 foi realizada uma coletiva de imprensa com a presença do Diretor do exercício, o Brigadeiro do Ar Luiz Guilherme Silveira de Medeiros e com os representantes dos países participantes. A coletiva contou com um vídeo de apresentação do evento, algumas falas do Brigadeiro Medeiros e também de alguns representantes militares das nações envolvidas. Após isso, foi aberta a possibilidade de perguntas por parte dos jornalistas e fotógrafos que ali estavam cobrindo o evento.

Na coletiva o então diretor do exercício informou o motivo para que houvesse esse lapso de cinco anos. Segundo o , Brigadeiro Luiz Guilherme, durante esses cinco anos houve, copa do mundo, olimpíadas e a FAB passou por uma reestruturação geral. Com  isso tudo acontecendo se tornava difícil focar em um exercício complexo como a Cruzex. 

Por fim foi nomeados os 40 nomes escolhidos pela FAB para fazer o Media Flight, onde a imprensa escolhida voaria em um C-105 Amazonas,  faria fotos dos caças de cada país tendo como o fundo o litoral da cidade de Natal.

Porém, após todo o briefing e o treinamento para a operação e já em voo foi preciso retornar para a ALA 10, pois o Media Flight havia sido cancelado devido a uma pane em uma das aeronaves que seriam fotografadas. Os profissionais da imprensa retornaram para a sala de imprensa e foi informado pelo Cecomsaer que o voo do Media Flight aconteceria no dia seguinte (20/11).

Apesar do cancelamento do voo durante todo o dia aconteceram os voos de familiarização dos pilotos. Esses voos aconteceram na segunda e na terça-feira dia 20/11.

 

Dia 20/11

Retorno de dois A-29 da FAB com três A-37 Drangonfly da FAP.

A programação do dia 20 foi intensa de decolagens, passagens, pouso e claro, cliques também. O atendimento a imprensa começou às 9h30 onde foi informando que os jornalistas, fotógrafos, spotters e cinegrafistas seguiriam para o pátio para fazer as fotos da movimentação das aeronaves que logo cedo já é intensa.

Às 10h30 a imprensa teve acesso ao pátio próximo a torre de controle (TWR) da ALA 10 onde se pode subir na mesma para ter um ângulo diferenciado de fotos. Foi separado grupos para que todos tivessem tal oportunidade, enquanto um grupo estava na torre, outro permanecia em solo podendo fotografar normalmente. Permaneceu- se no local por toda a manhã e após o término os profissionais de mídia foram encaminhados para uma sala para assim poder passar as informações referentes a parte da tarde.

 

Media Flight (20/11)

Media Flight Cruzex 2018. Com sete caças representando as nações. Da esquerda pra direita, F-16C dos EUA, A-37 Dragonfly do Uruguai, um Mirage 2000P do Peru, A-1M da FAB liderando a esquadrilha, AF-1A (A-4KU Skyhawk) da Marinha do Brasil, F-5EM da FAB e um F-16A MLU do Chile

O voo que acontece com a imprensa na Cruzex é um dos grandes destaques do exercício, pois é uma rara oportunidade de fazer um voo onde se pode fotografar outra aeronave de frente. A lista dos 40 nomeados para o voo seguiu a mesma do dia 19.

O horário para o inicio do breafing foi às 12h30, onde foram repassados todos os passos que seriam feitos no voo e também os procedimentos de segurança. Feito isso chegou a hora de colocar o “rabo de macaco” (Equipamento de segurança usado para que prenda a pessoa a aeronave em voos com a porta traseira aberta). Após todos estarem prontos seguiu-se para a aérea operacional onde todos foram embarcados e aí sim poderia dar a partida nos motores e enfim a decolagem.

O C-105 taxiou até a pista 16L da ALA 10 e decolou, logo após isa aeronave ficou em órbita até que os sete caças que seriam fotografadas decolassem.

Dada a ordem finalmente abriu a porta traseira e os fotógrafos foram em grupos de 3 a 4 pessoas até a porta traseira do Amazonas e começaram a fazer os cliques e vídeos. Cada grupo tinha um tempo de 3 minutos para fazer as devidas imagens. Primeiramente o voo foi sobre o litoral e pontos turísticos famosos da capital potiguar, depois uma nova oportunidade foi dada para os fotógrafos de fazerem novas imagens e vídeos, mas desta vez passando sobre a ALA 10 .

A formação foi composta por um A-1M, um F-5EM e um A-4 da Marinha do Brasil, completando assim a representação brasileira  ; dois F-16 – um chileno e um norte-americano; um A-37 uruguaio e um Mirage 2000P peruano.

Ao término a aeronave seguiu para pouso onde foi feita uma foto oficial dos participantes e a tripulação do C-105 pela FAB, por fim os selecionados para o voo seguiram para a sala de imprensa.

Close nos caças, F-16A MLU do Chile, AF-1A da MB e F-5EM da FAB
Close nos caças do centro; A-37, Mirage 2000P, o líder, A-1M, A-4 Skyhawk e F-5EM

 

Dia 21/11

Mirage 2000P da Força Aérea Peruna pousando na ALA 10

O terceiro dia foi destinado de fato aos voos operacionais na Cruzex, entre segunda e terça-feira foram feitos voos de familiarização. Desde às 8h30 de quarta-feira (21) diversos voos ocorreram na parte da manhã e os fotógrafos  e toda a mídia que foi credenciada para cobrir exercício foram deslocados para o “Spotter Point”, área especial onde se pode tirar foto das movimentações de decolagem e pouso das aeronaves. Neste dia ocorreram mais de 59 decolagens de todas as aeronaves participantes que seguiram para as missões planejadas.

Na parte da tarde uma leva ainda maior de decolagens ocorreu e novamente a mídia foi deslocada para o ponto de fotografia que nesse dia foi próximo a cabeceira da 16L.

 

Dia 22/11

O último dia de cobertura da Aeroflap no exercício Cruzex contou com muito barulho de caças, e outras aeronaves. O último dia seguiu conforme os outros, um pacote de decolagens por parte da manhã e outra de tarde. Em ambas as situações a imprensa credenciada teve acesso a um ponto para registrar imagens e vídeos das operações das aeronaves.

Aviação de transporte na Cruzex 2018

A aviação de transporte está em peso (literalmente) no exercício Cruzex. A FAB mandou para a ALA 10 2 C-130M e 1 KC-130, além de 3 C-105 Amazonas, sendo um do SAR. 

Passando para o cenário internacional, o Canadá mandou 2 C-130J, já a França 1 C-232.

Os EUA mandaram um KC-135 que serviu para missões de Revo para os caças F-16C. O Chile mandou também um KC-135 que veio fazendo Revos nos F-16A MLU da Força Aérea Chilena.

 

CC-130J Canadian Real Airforce
C-105 Amazonas- Força Aérea Brasileira
C-235 Armée de´l air
C-130M Força Aérea Brasileira

 

Participação da Marinha com o Esquadrão VF-1 Falcões do Mar

AF1B (A4KU Skyhawk) da Marinha do Brasil decolado para mais uma missão na Cruzex

Pela primeira vez no exercício Cruzex a Marinha do Brasil está participando das operações em Natal com as aeronaves do Esquadrão de Interceptação e Ataque VF-1, conhecidos como ” Falcões do Mar”. O esquadrão VF-1 fica sediado na Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia, Rio de Janeiro e conta com aeronaves A-4 Skyhawk (AF-1A e AF-1B-Designação na MB (A-4KU na designação internacional do caça). As aeronaves da Marinha estão passando por um processo de modernização pela Embraer e algumas unidades já modernizadas já foram entregues ao esquadrão. Na Cruzex a Marinha levou duas aeronaves, sendo uma biposta e outra monoposta, ambas modernizadas. 

AF-1A (A4KU Skyhawk) decolando para missão de pacote na Cruzex 2018.

 

A equipe da Aeroflap entrevistou o Comandante do Esquadrão VF-1, o Capitão de Fragata Brito Coelho, segue abaixo a entrevista com o Capitão:

Comantante do Esquadrão VF-1, Capitão de Fragata Brito Coelho
  • Quais estão sendo as expectativas devido a primeira participação do Esquadrão VF-1 na Cruzex?

Capitão de Fragata- Brito Coelho: A expectativa é bastante grande. A ideia dos nossos meios aeronavais foi muito bem recebida pela Força Aérea e fomos abraçados para estar aqui participando destes exercícios, é uma oportunidade impar para a gente estar aqui aprimorando nosso conhecimento e trabalhando na conjunção das três forças. O reporte que tenho dos pilotos está sendo bem enriquecedoras”.

 

  • Como estão sendo os voos com a FAB e com as aeronaves de outras nações, estão sendo enriquecedoras?

Capitão de Fragata- Brito Coelho:  “Sim, com certeza. A concepção do exercício em si é uma conjunção não só aqui no Brasil mas também com todas as forças aéreas que tem participado. Existe uma troca de informação muito grande em uma determinada missão, aprendemos com eles e eles aprendem com a gente. A grande palavra é aprender.”

 

  • Quais as principais mudanças dos A-4 Skyhawk após a modernização?

Capitão de Fragata- Brito Coelho: “O grande up grande que nossos A-4 tiveram foram à parte de aviônicos, como modernos sensores, rádios e com esse exercício aprimora mais ainda as operações. Apesar de sermos uma força aeronaval apreendemos bastante e podemos colocar em prática isso dentro da força naval”.

 

  • Vocês fizeram algum treinamento em Anápolis antes de vir para cá?

Capitão de Fragata- Brito Coelho: “Exatamente, quando nos aceitamos o desafio de estar participando aqui voando na Cruzex a gente começou um treino bem intenso tanto teórico como terrestre, contamos com ajuda da FAB nessa parte de instrução teórica e na sequência participamos do exercício BVR lá em Anápolis (ALA2) que é basicamente o mesmo tipo de emprego que é visto aqui na Cruzex e a partir daí estamos aqui realizando esse exercício inédito, mas aceitamos o desafio e vamos cumprir a missão”.

 

  • Mediante ao que já foi feito na Cruzex 2018, existe uma intensão da Marinha em voltar a participar da Cruzex?

 Capitão de Fragata- Brito Coelho: “Com certeza, a grande intensão é essa, é cada vez mais as três forças estarem integradas e isso demostra de maneira geral para o mundo que o Brasil tem três forças armadas bastante integradas”. “Então a expectativa é nas outras edições participarmos com mais aeronaves e meios e que esse exercício seja cada vez maior”.

  • Capitão, Muito Obrigado pela entrevista.

“Eu que agradeço a oportunidade”.

 

Confiram mais imagens da primeira semana da Cruzex abaixo: