Novo H145.

Quando Tom Cruise chegou à estreia do seu novo filme Top Gun: Maverick pilotando um helicóptero Airbus H125, seu rosto estava radiante, seu traje impecável e seu sorriso era uma prova do voo tranquilo que tinha acabado de realizar.

Não apenas a sua habilidade como piloto era importante, mas também o auxílio da alta tecnologia que essas aeronaves possuem para tornar o voo mais confortável e eficiente. Na verdade, estas são características fundamentais para os operadores latino-americanos que oferecem passeios de helicóptero.

Essas versáteis aeronaves de asa rotativa estão sendo cada vez mais utilizadas para apreciar as imponentes Cordilheira dos Andes; para ver de cima as Cataratas do Iguaçu; para ter uma vista panorâmica de cidades icônicas como Buenos Aires, Rio de Janeiro, Santiago, CDMX ou Medellín; para sobrevoar Ushauaia e apreciar as montanhas da Terra do Fogo; para analisar do céu as Linhas de Nazca no Peru, ou simplesmente para chegar mais rapidamente a destinos turísticos e tirar o máximo proveito das suas férias.

Um dos modelos de helicópteros mais populares na região para este segmento é o Airbus Helicopters H130, a única aeronave monomotor que tem uma pegada acústica abaixo dos requisitos mais rigorosos do Parque Nacional do Grand Canyon, nos EUA.

Foto – Anthony Pecchi/Helibras

O H130, além de ser o helicóptero mais silencioso da sua classe, pode transportar até sete passageiros, com os bancos virados para a frente e desfruta de grande visibilidade exterior, ar-condicionado de última geração, cockpit digital e vários sistemas integrados que permitem ao piloto ter mais visão e controle que facilitam o trabalho.

O helicóptero também está disponível em versão VIP, chamada ACH130, que se tornou um dos modelos mais procurados e cuja edição limitada Aston Martin esgotou rapidamente, graças ao seu conforto e alto luxo.

O interesse por estes produtos tem crescido em parte como um efeito da pandemia. Os passageiros têm procurado formas se locomover não apenas em que se sintam seguros e tenham uma experiência mais exclusiva, mas que também permita chegar mais rapidamente aos destinos.

Na Argentina, por exemplo, o número de voos privados em 2021 em comparação com o ano anterior cresceu 80%, e aumentou seis vezes em comparação com 2019. Esta tendência ascendente também se observa em outros países da região, onde várias empresas registaram um aumento nas vendas.

Os viajantes estão ansiosos por novas experiências. Em 2021, o México encerrou o ano com 31 milhões de turistas internacionais. De acordo com o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), o turismo é uma das indústrias chave para a recuperação da economia da região.

Neste contexto, o mercado de helicópteros brasileiro também está crescendo. O Brasil é o segundo mercado mais importante para helicópteros executivos, sendo São Paulo a cidade com os helicópteros executivos mais registados no mundo. Embora nem todos sejam utilizados para turismo ou lazer, as empresas que prestam serviços de transporte aéreo têm visto um aumento de oportunidades, uma vez que muitas delas já têm o quadro de pessoal e as rotas aéreas mapeadas.
 
Outro modelo Airbus que ganhou força na região é o H145, que agora apresenta uma edição melhorada de cinco pás. Este helicóptero se destaca pela versatilidade, velocidade e desempenho, o que lhe confere a capacidade de decolar e pousar a 20 mil pés e o torna a escolha perfeita para destinos na Cordilheira dos Andes.

Na realidade, em setembro de 2019, a aeronave desembarcou no cume do Aconcagua, a montanha mais alta do hemisfério sul, a 22,840 pés acima do nível do mar. Sua adequação às condições da região pode agora ser combinada com o design de luxo no ACH145 Mercedes-Benz Style Edition, cujo interior foi desenhado pela marca de automóveis e possui 26 exemplares existentes.

Foto: Eric Raz/Airbus.

A América Latina é promissora para estes produtos no mercado do luxo. Este ano, durante a feira FIDAE no Chile, a Airbus revelou que dois clientes brasileiros fizeram a primeira encomenda do pacote ACH160 com Lounge para o seu interior, oferecendo um equilíbrio entre conforto e desempenho. Não é de se estranhar em um país com mais de 2.500 aeroportos e 1.300 heliportos que utilizam serviços de aviação corporativa.

Também não é surpreendente que Tom Cruise tenha feita a entrada para o lançamento do seu tão esperado spin-off a bordo de um H125, um helicóptero popular que, além de ter um excelente desempenho e exigir pouca manutenção, possui a versatilidade de operar em ambientes com alta atitude e temperatura (em 2005, o modelo aterrissou e descolou do cume do Evereste, a 29.029 pés).

Se o ator decidir vir aos Andes para participar de uma aventura cinematográfica que começa no topo de uma montanha, seria melhor fazê-lo a bordo de um desses helicópteros, pois isso lhe permitirá aterrissar no melhor estilo Hollywood.