A GECAS assinou um acordo com a companhia aérea Prime Air, pertencente à Amazon, para a locação de 15 aeronaves de carga Boeing 737-800.

O acordo com a Prime Air é adicional, visto que a Prime Air já tinha um contrato anterior com a GECAS para cinco aviões Boeing Converted Frieghters (BCF) 737-800.

A Amazon Air disse que planeja ter uma frota de 70 aeronaves nos próximos dois anos, e quer operar com esses aviões 737BCF dentro dos Estados Unidos, ligando mais de 20 “gateways” domésticos de carga.

O Boeing 737-800BCF é uma conversão do tradicional 737-800 de passageiros, com interior adaptado para levar 12 paletes de carga totalizando 23,5 toneladas de peso máximo. Nessa configuração a aeronave tem alcance de 3900 km.

 

Novo aeroporto exclusivo da Prime Air

A Amazon iniciou em maio deste ano a construção do seu novo aeroporto, de uso exclusivo da empresa para o transporte de cargas da Prime Air.

Ao todo a Amazon deve investir US$ 1,5 bilhão de dólares na construção do novo aeroporto, localizado na cidade de Cincinnati, em Ohio, EUA, em um terreno alugado por 50 anos pela empresa. Esse deve ser o futuro hub global de cargas da Amazon.


O local tem aproximadamente 3,6 km², algo suficiente para a construção de grandes galpões, um pátio para até 100 aviões e uma pista de pouso para apoiar as operações até mesmo com grandes aeronaves.

Cerca de 2 mil pessoas serão contratadas para trabalhar no local, que terá sua inauguração em 2021.

A finalidade da Amazon é ter uma transportadora totalmente independente, que não faça a empresa ser dependente de serviço terceirizado por grandes transportadoras, como a UPS e a FedEx. Dessa forma a empresa será capaz de entregar todos os produtos vendidos em sua plataforma em apenas 48 horas, dentro dos Estados Unidos.

“Esse centro vai nos permitir levar os pacotes para os clientes mais rápido. Vamos passar para um dia de entrega, e esse centro será uma grande parte disso”, disse o CEO da Amazon, Jeff Bezos no Twitter.