Delta Airlines
Foto: Divulgação

A energia do hidrogênio tem um grande potencial para levar as viagens aéreas em direção à emissão zero de carbono, um futuro que pode ser acelerado graças a um novo acordo entre a Delta e a Airbus.

Como parte de seu plano Flight to Net Zero (Voo em Direção ao Impacto Zero, em tradução livre), que tem por objetivo escalar e promover o avanço de tecnologias sustentáveis, a Delta assinou um Memorando de Entendimento para se tornar a primeira companhia aérea norte-americana a colaborar com a Airbus na pesquisa e no desenvolvimento de aeronaves movidas a hidrogênio e o ecossistema necessário para fazer a transição para esse modelo.

“Para impulsionar o futuro da aviação sustentável, precisamos acelerar o desenvolvimento e a comercialização de tecnologias potencialmente disruptivas”, disse a diretora executiva de Sustentabilidade da Delta, Pam Fletcher.

Airbus A380 CFM Hidrogênio
Projeção: Airbus/Divulgação

“O combustível de hidrogênio é um conceito empolgante que tem o potencial de redefinir o status quo. Esses passos tangíveis estabelecem as bases para a próxima geração da aviação”.

Sob o acordo, a Delta fornecerá a expertise de seu pessoal para identificar as expectativas da frota e da rede, bem como os requisitos operacionais e de infraestrutura necessários para desenvolver aeronaves comerciais movidas a combustível de hidrogênio.

As áreas de foco serão:

  • Conceito da aeronave: explorar a viabilidade técnica e econômica de aeronaves movidas a hidrogênio, identificando o caminho para a introdução na frota e nas operações da Delta, assim como o desempenho potencial da aeronave na frota da companhia. Isso inclui apontar desafios como limites de alcance de voo, tempo de reabastecimento e compatibilidade com aeroportos.
  • Ecossistema da aviação: avaliar a infraestrutura necessária para desenvolver hidrogênio verde, trazê-lo a um nível comercial e implementá-lo em aeroportos em todo o país, além de analisar a regulamentação e os custos para identificar um caminho claro para o progresso futuro.
  • Construção de coalizões: defender um futuro descarbonizado na aviação, incluindo caminhos para a produção de hidrogênio, com as principais partes interessadas do setor.

“Para descarbonizar a aviação, precisamos desenvolver as bases tecnológicas certas e um ecossistema dinâmico de hidrogênio”, disse a vice-presidente executiva de Comunicação e Assuntos Corporativos da Airbus, Julie Kitcher.

“Por meio de uma estreita colaboração com parceiros importantes, como a Delta, integraremos a experiência e as necessidades específicas de nossos clientes para garantir que nossa aeronave de emissão zero seja um divisor de águas para o setor aeroespacial sustentável”.

Esse programa se baseia nos esforços contínuos do Flight to Net Zero da Delta, que por meio de coalizões visa a dar vida ao próximo capítulo da aviação. Atingir um nível zero de emissão requer uma abordagem holística para a descarbonização e a colaboração de todos as esferas do setor.

O anúncio se baseia no recente investimento da companhia por meio de seus planos de pensão no fundo TPG Rise Climate, que se concentra no apoio a soluções climáticas em escala.

A Delta também se juntou à First Movers Coalition, uma parceria público-privada e plataforma projetada para acelerar e tornar mais acessível o desenvolvimento de tecnologias climáticas inovadoras.

 

 

Com informações da Delta.