Delta e LATAM continuam a expandir o acordo de joint-venture

LATAM
Foto - Airbus/Divulgação

A Delta Air Lines e o LATAM Airlines Group e suas afiliadas (‘LATAM’) assinaram um acordo de joint venture transamericano que, após as aprovações regulatórias necessárias, combinará as malhas aéreas altamente complementares das companhias entre as Américas do Norte e do Sul, proporcionando aos clientes uma experiência de viagem única e a maior conectividade do setor.

“No final do ano passado, decidimos construir a aliança estratégica líder na América Latina, juntamente com a LATAM, e, embora o cenário da indústria tenha mudado, nosso compromisso com esta joint venture está mais forte do que nunca”, afirma o CEO da Delta, Ed Bastian. “Enquanto nossas empresas enfrentam o impacto da COVID-19 em nossos negócios e tomam medidas para proteger a segurança de nossos clientes e funcionários, também estamos construindo a aliança de companhias aéreas que sabemos que desejam voar no futuro”.

“Enquanto continuamos focados em operar durante a crise da COVID-19, protegendo a segurança e o bem-estar dos nossos passageiros e funcionários, também precisamos olhar para o futuro para garantir a melhor experiência possível ao cliente e apoiar a sustentabilidade a longo prazo do grupo”, afirma Roberto Alvo, CEO do Grupo LATAM Airlines. “Nossa aliança estratégica bilateral com a Delta continua sendo uma prioridade e acreditamos firmemente que ainda vamos oferecer aos clientes a melhor experiência de viagem e conectividade nas Américas.”

Desde setembro de 2019, a Delta e a LATAM alcançaram resultados importantes com o acordo de benefícios para o cliente, incluindo:

  • Acordos de codeshare entre a Delta e as filiais da LATAM no Peru, Equador, Colômbia e Brasil que permitem aos clientes adquirir passagens e acessar destinos de suas respectivas malhas aéreas, que serão expandidos para voos de longo curso entre os Estados Unidos, Canadá e América do Sul, além de voos regionais. As afiliadas da Delta e da LATAM no Chile e na Argentina também planejam assinar acordos de codeshare nas próximas semanas.
  • Benefícios para passageiros frequentes: os clientes Delta SkyMiles podem acumular e utilizar as suas milhas em voos da LATAM, enquanto os clientes LATAM Pass podem acumular e utilizar as suas milhas em voos da Delta em suas respectivas malhas aéreas. Espera-se que o acordo recíproco para os clientes top tier esteja disponível a partir de junho de 2020.
  • Conexões nos principais aeroportos: os clientes podem se conectar facilmente entre os voos da Delta e da LATAM nos principais aeroportos operados pelas companhias, incluindo o Terminal 4 no Aeroporto Internacional John F. Kennedy (Nova York) e o Terminal 3 no Aeroporto de Guarulhos (São Paulo).
  • Acesso recíproco nos lounges: clientes elegíveis da LATAM podem acessar o Delta Sky Club em Nova York (JFK) e clientes elegíveis da Delta podem acessar o lounge da LATAM em Bogotá (BOG). A ampliação do acesso recíproco aos lounges dos aeroportos está prevista para junho de 2020.

No último mês, abril, a Delta concluiu com sucesso sua oferta de compra anunciada anteriormente e adquiriu uma participação acionária de 20% no LATAM Airlines Group SA por aproximadamente US$ 1,9 bilhão, cerca de US$ 16 dólares por ação.

Foto – Delta Airlines/Reprodução

Detalhes adicionais da parceria incluem:

– A Delta também investirá US$ 350 milhões para apoiar o estabelecimento da parceria estratégica.
– A Delta adquirirá quatro aeronaves A350 da LATAM e concordou em assumir o compromisso da LATAM de comprar 10 aeronaves A350 adicionais a serem entregues a partir de 2020 até 2025, apoiando a transformação contínua da frota da Delta.
– A Delta estará representada no Conselho de Administração da LATAM, fortalecendo ainda mais o relacionamento.
– A oferta pública e a parceria estratégica estão sujeitas às condições habituais de fechamento e a todas as aprovações governamentais e regulamentares necessárias, incluindo imunidade antitruste.


A Delta espera que a transação seja acrescida de EPS nos próximos dois anos. Além disso, a transação não afetará os compromissos financeiros existentes da empresa com os acionistas, incluindo fluxo de caixa livre e retorno dos acionistas. A Delta também espera permanecer dentro dos índices de alavancagem almejados.

Para a LATAM, a transação melhorará a geração de fluxo de caixa livre, reduzirá a dívida prevista em mais de US$ 2 bilhões até 2025 e melhorará a estrutura de capital da LATAM, melhorando sua capacidade de executar sua estratégia de longo prazo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA