Foto - Boeing/Divulgação

A demanda global por viagens aéreas domésticas e internacionais cresceu 6,5% em 2018 em comparação com o ano de 2017, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês). 

Já a oferta registrou alta de 6,1% na mesma comparação.  O aproveitamento das aeronaves teve leve alta de 0,3 ponto percentual, para um recorde de 81,9%.

“O ano de 2018 foi desafiante com resultados muito positivos. Esperamos desempenho similar, embora moderado em 2019. No entanto, a desaceleração do crescimento do setor no segundo semestre de 2018, associada a preocupações com questões como a Brexit e as tensões comerciais entre EUA e China, estão criando alguma incerteza para essa perspectiva positiva”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

Ainda segundo relatório da IATA, em dezembro a demanda global por viagens aéreas teve alta de 5,3% em relação ao mesmo mês de 2017. A oferta foi 6,1% superior ao mesmo período do ano anterior, com a taxa de ocupação das aeronaves ficando em 80,4%, um recuo de 0,6 ponto percentual.

 

América Latina

A demanda por viagens aéreas na América Latina teve crescimento considerável em 2018, com alta de 6,2% em demanda de passageiros em relação a 2017. A oferta foi 6,6% superior e a taxa de ocupação ficou em 81,6%.

Em dezembro, especificamente, a demanda de passageiros foi 6% superior ao mesmo mês de 2017, com a oferta crescendo 5,4% em relação ao mesmo período e a taxa de ocupação de aeronaves fechando em 81,8%.

 

Cargas

A demanda por transporte aéreo global de cargas cresceu 3,5% em 2018, em relação a 2017. O resultado, mesmo positivo, ficou aquém do realizado no ano anterior, quando alta foi de 9,7%.

A oferta para esse tipo de atividade, por sua vez, teve ampliação de 5,4% em 2018 na comparação com o ano anterior. Já o aproveitamento da capacidade dos aviões foi de 49,1% no ano, leve recuo de 0,9 ponto percentual.

Apenas em dezembro, o transporte aéreo global de cargas recuou 0,5%, em relação ao mesmo mês do ano anterior. A capacidade dos aviões para essa atividade, por sua vez, registrou aumento de 3,8% na mesma comparação.

Com a demanda menor do que a oferta, o aproveitamento dos aviões teve redução de 2,1 pontos percentuais, para 48,8%.

 

Via – ABEAR