Douglas DC-3 que operou na VARIG e estava exposto, é destruído no Rio de Janeiro

Nesta sexta-feira (31/01) um Douglas DC-3, que já operou pela Varig, foi desmontado e picotado nas proximidades do Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

A aeronave de matrícula PP-VBF estava localizada nas proximidades da antiga Fundação Ruben Berta, que fica próxima dos hangares da TAP ME no Rio.

DC-3 em exposição nas proximidades da antiga Fundação Ruben Berta.

A aeronave foi fabricada em 1942, pela Douglas, e na época foi entregue para a USAAF, a Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos. Na Varig esse avião só chegou na frota anos depois, na década de 50, mas antes foi pilotado por Howard Hughes.

Pela Varig, esse avião já transportou passageiros e carga, sendo aposentado em 18 de agosto de 1971 após um voo na clássica ponte aérea entre o Rio e São Paulo. No lugar do DC-3 entrou anos depois o Electra, um outro clássico que foi preservado no MUSAL, a poucos quilômetros da destruição de hoje.

A própria Varig restaurou o avião, e colocou o mesmo no aterro do Flamengo, movendo depois a aeronave para as proximidades do novo hangar da empresa no Aeroporto do Galeão.

De acordo com informações, gestores da própria massa falida da Varig decidiram retirar o avião do local e vender como sucata. Houve interesse do MUSAL, que fica a poucos quilômetros do local, no Rio de Janeiro, mas o avião precisava passar por uma nova restauração. A procura por interessados na aeronave foi descrita no processo de recuperação da massa falida como “parcial”.

De acordo com a Flex, da massa falida, ela precisava devolver a área onde a aeronave estava localizada. O custo somente da retirada do avião inteiro do local rondava os R$ 200 mil.

Em muitos países há várias unidades do DC-3 com capacidade de voo, e outras inúmeras preservadas em museus. O clássico avião da Douglas é muitas vezes citado como o responsável pela popularização dos voos comerciais, visto que foi um dos primeiros com “grande capacidade” de transporte de passageiros.

 

DEIXE UMA RESPOSTA