A companhia aérea de baixo custo EasyJet, anunciou seus resultados anuais prévios hoje (08/10). Os resultados nesse momento atual vivido pelas companhias aéreas, pode esclarecer muito sobre a atual situação e ter uma perspectiva do futuro.

A companhia estima perdas entre £ 815 (US$ 1,05 bilhão) e £ 845 milhões (US$ 1,1 bilhão). Sendo esse o primeiro prejuízo financeiro em toda a história da companhia aérea de baixo custo.

No início deste ano, ninguém poderia imaginar o impacto que a pandemia teve na indústria”, disse Johan Lundgren, CEO da easyJet, em um comunicado

“A easyJet adaptou-se e superou os desafios apresentados pela pandemia, tomando medidas decisivas para minimizar perdas, aumentar a liquidez e reduzir o consumo de caixa ao lançar um grande programa de reestruturação, tendo concluído a consulta no Reino Unido e iniciado consultas em vários países importantes” Concluiu.

Com as restrições de viagens impostas no Reino Unido, somada a baixa procura por viagens fez com que a EasyJet tivesse mais de 50% passageiros a menos transportados em comparação a 2019.

Com 38% de sua capacidade sendo operada no verão europeu, a companhia obteve um crescimento mínimo no mês de agosto quando os voos atingiram ocupações e demandas maiores. Mesmo em curto crescimento, a EasyJet reduziu novamente sua capacidade em setembro.

A EasyJet decidiu operar apenas 25% de sua total capacidade, para o restante de 2020. Em comparação, a Ryanair, rival direta da empresa está operando cerca de 40% de toda a sua capacidade de operar. 

A EasyJet está buscando ser flexível nesse momento para que possa retomar em breve com boa parte de suas operações e registrar crescimento. A companhia recebeu empréstimo de £ 600 milhões ($ 775 milhões) do Tesouro e do fundo de emergência para Covid-19 do Banco da Inglaterra.

Outros £ 419($ 541 milhões) foram capitalizados através de vendas de ações. Durante o inverno europeu, o CEO da EasyJet acredita que todas as companhias precisaram de mais ajuda vinda do governo, para manter em dia seus pagamentos.

“A aviação continua a enfrentar a ameaça mais grave de sua história e o governo do Reino Unido precisa urgentemente adotar um pacote sob medida de medidas para garantir que as companhias aéreas sejam capazes de apoiar a recuperação econômica quando ela vier,” Disse Johan Lundgren, CEO da EasyJet.

 

DEIXE UMA RESPOSTA