Embraer conclui primeiro voo com o E175-E2, o menor da 2ª geração

A Embraer concluiu com sucesso o primeiro voo do E175-E2 na manhã desta quinta-feira (12/12), dentro do prazo estabelecido pela aeronave.

O primeiro voo da aeronave foi acompanhando por um conjunto de funcionários da Embraer, que trabalham na linha de produção e no projeto dos E-Jets E2.

O E175-E2 decolou às 11:07 da manhã, no horário local, da pista adjacente ao complexo Faria Lima da Embraer e voou por duas horas e dezoito minutos. O comandante Mozart Louzada pilotou a aeronave, juntamente com o primeiro oficial Wander Almodovar Golfetto e os engenheiros de voo Gilberto Meira Cardoso e Mario Ito.

A aeronave decolou e pousou com controles fly-by-wire (FBW) no modo normal. A tripulação avaliou o desempenho da aeronave, a qualidade do voo e o comportamento dos sistemas.

A Embraer utilizará três aeronaves na campanha de certificação do E175-E2. O primeiro e o segundo protótipos serão utilizados para testes aerodinâmicos, de desempenho e de sistemas. O terceiro protótipo será usado para validar as tarefas de manutenção e será equipado com interior.

A certificação está prevista para 2021, quando a Embraer também vai fazer a primeira entrega para a companhia de estreia, mas até o momento a aeronave não tem encomendas firmes, somente intenções de compra.

“O voo de hoje do E175-E2 simboliza a realização de nossa visão de produzir uma família de aeronaves comerciais de nova geração que traz economia de custos incomparável aos nossos clientes, conforto excepcional aos passageiros e menos emissões para o planeta”, disse John Slattery, Presidente & CEO da Embraer Aviação Comercial. “O E190-E2 e o E195-E2 já demonstraram um desempenho incrível e o E175-E2 é igualmente impressionante. Estamos ansiosos para trabalhar na certificação. Meus sinceros agradecimentos a todos os funcionários da Embraer que ajudaram a tornar esse dia possível.”


A Embraer manteve o cronograma da aeronave, e possivelmente não atrasará mais o programa de desenvolvimento do E175-E2, mesmo com o impasse sobre as leis de incentivo à aviação regional nos Estados Unidos.

Para alcançar os novos padrões de desempenho mesmo com um pequeno aumento na fuselagem, a Embraer redesenhou asa, empenagem e incorporou novos motores no E-Jet, os Pratt & Whitney PW1700G.

O E175-E2 se difere do resto da família E-Jet por ser a única aeronave com estabilizador horizontal e flaps em material composto, enquanto as outras utilizam ligas metálicas.

Em comparação ao E175 de primeira geração, o E175-E2 possui uma fileira adicional de assentos, podendo ser configurado com 80 assentos em duas classes ou até 90 em classe única. O avião economizará até 16% em combustível e 25% nos custos de manutenção por assento em comparação ao E175.

Assim como o E190-E2 e o E195-E2, o E175-E2 terá os intervalos de manutenção mais longos na categoria de jato de corredor único, com 10.000 horas de voo para verificações básicas e sem limite de calendário para operações típicas do E-Jet. Isso significa 15 dias adicionais de utilização da aeronave por um período de dez anos em comparação com os E-Jets da geração atual.

A unidade da Embraer em Portugal é responsável pela fabricação de diversos componentes do E175-E2, entre eles o estabilizador horizontal e os flaps. A unidade de Évora também colabora com a fabricação do revestimento das asas do E175-E2. O local conta com a mesma capacidade de automação da unidade de São José dos Campos, que agiliza a montagem e evita erros de fabricação.

DEIXE UMA RESPOSTA