Quicksink antinavio bomba JDAM EUA USAF
Bombas JDAM de 907 kg foram modificadas para atender aos requisitos do programa Quicksink. Foto: USAF.

A Força Aérea dos EUA (USAF) demonstrou no dia 28 de abril a sua nova bomba antinavio, desenvolvida no âmbito do projeto Quicksink. De acordo com o Laboratório de Pesquisas da Força Aérea (AFRL), a Quicksink “destruiu com sucesso uma embarcação de superfície em grande escala no Golfo do México.”

Um caça-bombardeiro F-15E Strike Eagle, da Equipe de Testes Integrados da Base Aérea de Eglin, lançou a bomba GBU-31 JDAM modificada pelo programa como parte do teste, o segundo experimento na Demonstração de Tecnologia de Capacidade Conjunta QUICKSINK (JCTD), financiado pelo Gabinete do Subsecretário de Defesa para Pesquisa e Engenharia.

O teste foi bem-sucedido, através de um esforço colaborativo entre o AFRL, o 780º Esquadrão de Testes da 96ª Ala de Testes e o 85º Esquadrão de Testes e Avaliação da 53ª Ala.

“QUICKSINK é uma resposta a uma necessidade urgente de neutralizar as ameaças marítimas em todo o mundo”, disse o Coronel Tony Meeks, da Diretoria de Munições do AFRL. “Os homens e mulheres desta diretoria encontram consistentemente maneiras de resolver os maiores desafios de nossa nação.”

O AFRL havia dito anteriormente que o QUICKSINK visa replicar a letalidade de um torpedo MK-48 da Marinha dos EUA, que também é parceira do programa. Dessa forma, a USAF pode obter efeitos semelhantes ao ataque de torpedos com o emprego de bombas pesadas, com taxas mais altas e sobre uma área maior.

As fotos mais recentes dos testes mostram quatro bombas GBU-31 de 2000 libras (907 kg) montadas no F-15E do 85º Esquadrão de Testes. Um logotipo do projeto Quicksink foi colado na ponta das bombas, mostrando um contratorpedeiro sendo afundado por uma JDAM depois que sua quilha foi quebrada. Esse método de afundar um navio usando um torpedo também é conhecido como “quebrar as costas”.

Foto: USAF.
Enquanto os torpedos afundam predominantemente navios inimigos por meio de submarinos, novos métodos explorados pelo projeto Quicksink podem atingir a letalidade antinavio com armas lançadas do ar, incluindo bombas JDAM modificadas. 
 
“Torpedos pesados ​​são eficazes [para afundar navios grandes], mas são caros e empregados por uma pequena porção dos meios navais”, disse o major Andrew Swanson, chefe da 85ª divisão TES de Programas Avançados. “Com o QUICKSINK, demonstramos uma solução de baixo custo e mais ágil que tem potencial para ser empregada pela maioria das aeronaves de combate da Força Aérea, oferecendo mais opções aos comandantes combatentes e combatentes.”  
 
Os cientistas e engenheiros da AFRL estão desenvolvendo um buscador para permitir o posicionamento preciso da bomba, através de uma arquitetura de sistemas abertos de armas (WOSA). 
 
F-15E JDAM Quicksink
Foto: USAF
A implementação do WOSA também reduz os custos ao fornecer modularidade por meio da capacidade de plug-and-play de componentes de busca de diferentes fabricantes. Desta forma, o AFRL poderá obter, ao mesmo tempo, custos reduzidos e desempenho aprimorado do sistema de armas.
 
“O QUICKSINK é único na medida em que pode fornecer novos recursos aos sistemas de armas existentes e futuros do Departamento de Defesa, dando aos comandantes e nossos líderes nacionais novas maneiras de se defender contra ameaças marítimas”, disse Kirk Herzog, gerente de programa no AFRL.
 
“Um submarino da Marinha tem a capacidade de lançar e destruir um navio com um único torpedo a qualquer momento, mas o QUICKSINK JCTD visa desenvolver um método de baixo custo para obter afundamentos semelhantes a torpedos do ar a uma taxa muito mais alta e em um área muito maior”, disse Herzog.
 
Foto: USAF.

“A missão QUICKSINK foi bem-sucedida graças às horas de planejamento e preparação fornecidas por toda a equipe de teste”, disse o Capitão J. Tucker Tipton, comandante de voo de teste ar-superfície, do 780º Esquadrão de Testes. “Este foi outro exemplo de como o 780º Esquadrão de Testes apoia os clientes de testes de desenvolvimento de armas e ajuda a fornecer recursos exclusivos ao combatente.”
 
A OUSD (R&E) concedeu o JCTD Quicksink à Diretoria de Munições da AFRL no ano fiscal de 2021 como parte de seu Programa de Armas Marítimas em andamento. 
 
“O desenvolvimento dessa tecnologia é fundamental para manter a superioridade tecnológica dos EUA e enfrentar os desafios definidos de segurança nacional”, disse Gerry Tighe, executivo de supervisão da OUSD(R&E) do JCTD. “Esta demonstração bem-sucedida representa um marco importante.”