O Primeiro Esquadrão de Transporte Aéreo (1° ETA), Esquadrão Tracajá, sediado na Ala 9, em Belém (PA), iniciou no dia 20 de novembro e se encerrou neste domingo, dia 1 de dezembro. Em sua primeira missão internacional com o objetivo de fornecer apoio aéreo para a troca do efetivo e ressuprimento de materiais ao Destacamento Especial de Fronteira de Vila Brasil do Exército Brasileiro (EB). O aeródromo de Camopi, localizado no território da Guiana Francesa, foi utilizado para pouso técnico, onde ocorreu o desembarque do pessoal e do material. A operação inédita sintetiza a cooperação Brasil-França e ajudará a diminuir os riscos na complexa logística.

O apoio aéreo é fundamental para que os militares do Exército possam se revezar e receber os suprimentos necessários. Entre os meses de agosto e dezembro, em virtude da escassez de chuvas na região, o Rio Oiapoque diminui a sua vazão de água, tornando-se quase intrafegável, pois há muitas pedras que dificultam o movimento dos barcos e oferecerem perigo à travessia. “É muito gratificante para nós do Esquadrão Tracajá poder cumprir essa missão e cooperar com os militares do Exército”, disse o Capitão Aviador Julian Dias Moreira, piloto que faz parte da tripulação da missão.

Foi utilizada uma aeronave C-98A Grand Caravan para cumprir a missão. Ao todo, foram transportados 61 militares e cerca de 4.200 kg de material de apoio, incluindo gêneros alimentícios, combustível, materiais de limpeza e de manutenção das instalações. “A logística dessa atividade envolve, também, o transporte de itens de manutenção da aeronave, que porventura sejam necessários. A coordenação com o Exército é crucial para a definição da quantidade de material e pessoal que transportaremos”, esclareceu o Sargento Diogo Tavares Furtado, mecânico que atua nos voos.

Fonte: FAB/ Fotos: Capitão Aviador Moreira/ 1º ETA