Força Aérea portuguesa realiza grande treinamento conjunto

Caças F-16 da Força Aérea Portuguesa - Foto de Manuel Cascalheira.

De 15 a 26 de março, a Força Aérea Portuguesa acolhe o exercício multi-domínio live-fly Real Thaw 21 na Base Aérea de Beja, proporcionando treino de interoperabilidade conjunta para operações diurnas e noturnas de alta intensidade.

Normalmente conduzido como um exercício multinacional, a Força Aérea Portuguesa teve, desta vez, de aplicar estritas medidas anti-COVID-19 que permitem a participação conjunta das Forças Armadas portuguesas. Além disso, este exercício serve de base para a certificação nacional das forças designadas para a Força de Resposta da OTAN (NRF).

“O Exercício Real Thaw 21 é um exercício de treino da Força Aérea Portuguesa conduzido pelo Comando Aéreo Português”, disse o Tenente-General Eurico Craveiro, Comandante da Aeronáutica Portuguesa que agendou o exercício. “Durante o Real Thaw 21, estamos conduzindo operações de Large Force Employment em uma estrutura Joint All Domain Operations ou JADO”, acrescentou.

C-130H da Força Aérea Portuguesa- Foto: Manuel Cascalheira.

O exercício consiste em um treinamento conjunto de interoperabilidade focado na integração e sincronização de ativos multinacionais, como membros de uma força-tarefa combinada que aprimora o desenvolvimento e a validação de táticas. O objetivo principal do treinamento é

treinar tripulações da Força Aérea Portuguesa e forças terrestres para operar em conjunto de alta intensidade com unidades do Exército, da Marinha e das Forças Especiais.

Os cenários implementam o treinamento de interoperabilidade conjunta e maximizam a integração. Os participantes são desafiados por missões incluindo Contra Aéreo Defensivo, Varredura Aérea e Escolta Ofensiva, Proteção de Ativos Aéreos de Alto Valor, proteção de motor lento, escolta de transporte aéreo, escolta de lançamento aéreo, Forças de Operações Especiais e Operações de Evacuação Não Combatente, assalto aéreo, comboio e escoltas de helicóptero, recuperação de pessoal, busca e resgate de combate e evacuação médica. 

Militares portugueses com um C-130H ao fundo- Foto de Manuel Cascalheira.FAP

“O Comando Aéreo Português está fortemente empenhado em criar um ambiente seguro e livre de COVID-19, onde os participantes podem experimentar um exercício tático de alto nível de forma a maximizar a integração, interoperabilidade e aprendizagem,” disse o Diretor de Exercícios Brigadeiro General João Caldas. “Enfrentaremos este desafio com grande determinação, estabelecendo um ambiente seguro para o desenvolvimento de operações aéreas conjuntas e provando que podemos trabalhar na situação atual”, acrescentou.

Os participantes do Real Thaw 21 incluem esquadrões táticos de vôo da Força Aérea Portuguesa, unidades terrestres como Centro de Controle e Relatório, Grupo de Controle Aéreo Tático / Controladores de Ataque Terminal Conjunto, bem como pára-quedistas, comandos e pessoal das Forças Especiais, infantaria mecanizada e meios navais.

 
Fonte: NATO/OTAN